Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/64
metadata.dc.type: Dissertação
Title: A RELIGIÃO NO CURRÍCULO DE FILOSOFIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E SUA PRÁTICA DOCENTE.
metadata.dc.creator: JÚNIOR, PAULO JONAS DOS SANTOS
metadata.dc.contributor.advisor1: Kilpp, Nelson
metadata.dc.contributor.referee1: Terra, Kenner Roger Cazotto
metadata.dc.contributor.referee2: Rocha, Nelson Célio de Mesquita
metadata.dc.contributor.referee3: Kilpp, Nelson
metadata.dc.description.resumo: O presente trabalho fez uma análise da religião no currículo básico da disciplina de Filosofia do Estado do Espírito Santo e sua prática docente. Sendo esta disciplina obrigatória no Ensino Médio escolar, usamos os documentos oficiais como a LDB e o Currículo básico estadual como referência para nossa pesquisa. É sabido que a influência religiosa no Brasil encontra-se em todos os âmbitos, e a presente dissertação verificou como essas influências aparecem na proposta básica curricular do Estado do Espírito Santo, particularmente seus desdobramentos nos conteúdos de Filosofia, ministrados para o Ensino Médio. No percurso desta pesquisa foi possível verificar que diversas expressões, costumes ou heranças religiosas, através da secularização perderam a forte ligação religiosa e se tornaram culturais. Destas, as principais foram expostas com o intuito de serem melhor compreendidas. Ao longo do estudo observamos que a ideia de ensino voltado a uma melhor formação do ser humano e não apenas uma simples transmissão de conhecimentos é uma das preocupações das Leis que amparam o ensino no Brasil. Dessa forma, foram analisadas as temáticas propostas para o ensino da Filosofia e como a religião influencia e se faz presente em sala de aula. O assunto em questão não é apenas uma análise sistemática sobre os temas com dimensões religiosas na disciplina de Filosofia, mas também o porquê de tais temas estarem presentes no currículo básico proposto pelo SEDU para a competência. Dessa forma analisamos como assuntos de cunho religioso na ementa de Filosofia e tais assuntos propõem ajudar na consolidação de um cidadão bem informado, e ao mesmo tempo, com uma formação humana que lhe capacite a lidar com o mundo ao seu redor. Através de pesquisa de campo e pesquisa documental foi possível concluir que a influência religiosa está viva e presente na disciplina de Filosofia.
Abstract: This paper makes an analysis of religion in the basic curriculum of the subject of Philosophy of the State of Espirito Santo and its teaching practice. Since Philosophy is a compulsory subject at high school level, we used official documents as the LDB and the basic curriculum adopted by the State as a reference for our research. It is known that religious influence in Brazil can be found in all areas, and this dissertation looks how these influences appear in the basic curriculum proposal of the State of Espírito Santo, particularly its consequences on the content of Philosophy administrated to high school. In the course of this research we found that several expressions, customs or religious heritages lost their strong religious connection because of secularization and became cultural phenomena. Some important ones were presented here. In the study we observed that the teaching aims at better education of the human being and not just a simple transmission of knowledge. This is a concern of the laws that support the teaching in Brazil. Thus, the proposed themes were analyzed for the teaching of Philosophy and how religion influences are present in the classroom. The issue at hand is not just a systematic analysis of the issues with religious dimensions in the subject of Philosophy, but also why these issues are present in the basic curriculum proposed by SEDU for competence. Thus we analyze how religious nature of issues on the menu of Philosophy and propose issues such help in the consolidation of a well-informed citizen, and at the same time, with a human formation that enables you to deal with the world around you. Through field research and documentary research it was concluded that the religious influence is alive and present in the philosophy of discipline.
Keywords: Religião. Filosofia. Filosofia da Religião. Educação
Religion. Philosophy. Philosophy of Religion. Education
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Religiões
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões
Citation: ACADEMIA EVANGÉLICA DE LETRAS DO BRASIL. Cultura, fé e religião. Rio de Janeiro: CPAD, 1985. ALVES, Rubem. Conversas sobre Educação. Campinas: Verus, 2003. ALVES, Rubem. Filosofia da ciência: Introdução ao jogo e as suas regras. 12 ed. São Paulo: Loyola, 2007. ALVES, Rubem. Religião e Repressão. São Paulo: Loyola, 2012 ALVES, Rubem. Um mundo num grão de areia: O ser humano e seu universo. Campinas: Verus, 2002. ALTMANN, Walter. O Pluralismo Religioso como Desafio ao Ecumenismo e à Missão na América Latina. Desafios Missionários na Realidade Brasileira (CECA). São Leopoldo: l997. AGOSTINHO, Bispo de Hipona. Confissões. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 2014. AQUINO, T. Suma Teológica, Iª – IIª. Col. Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1997. ARRUDA, José; PILETTI, Nelson. Toda a História: história Geral e história do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2007. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Cristo redentor. Disponível em: <http://www.al.sp.gov.br/noticia/?id=310849>. Acessado em: 19 mar.2016 AZEVEDO, Israel Belo de. O prazer da produção científica: diretrizes para a elaboração de trabalhos acadêmicos. Piracicaba: UNIMEP, 1992. BARIOS, Irina; FUENTES, María T.; RODRIGUEZ, Francisco J. Introduccíon a la metodologia de las investigaciones sociales. La Habana: E. Política, 1994. BAUMAN, Zigmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. BENJAMIN, Walter. Reflexão sobre a criança, o brinquedo e a educação. 2 ed. São Paulo: Duas Cidades, 2014. Coleção Espírito Crítico. BERGER, Peter Ludwig. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1998. BERGER, Peter Ludwig. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Paulinas, 1985. BOFF, Leonardo. Graça e experiência humana. 7 ed. Petrópolis: Vozes, 2012. BOFF, Leonardo. O povo brasileiro: um povo místico e religioso. São Leopoldo: UNISINOS, 2014. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/noticias/529296-o-povo-brasileiro-um-povo-mistico-e-religioso>. Acessado em: 27 jun. 2016. BRASIL, (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Serviço Gráfico. BRASIL. Constituição Federal (1824). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao24.htm>. Acessado em: 20 fev. 2016. BRASIL. Constituição Federal (1891). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao91.htm>. Acessado em: 20 fev. 2016. BRASIL. Constituição Federal (1934). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao34.htm>. Acessado em: 20 fev. 2016. BRASIL. Constituição Federal (1937). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao37.htm>. Acessado em: 20 fev. 2016. BRASIL. Constituição Federal (1946). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao46.htm>. Acessado em: 20 fev. 2016. BRASIL. Constituição Federal (1867). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao67.htm>. Acessado em: 20 fev. 2016. BRASIL. Decreto Federal nº 119-a de 1890. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/d119-a.htm> Acessado em: 25 jun. 2016. BRASIL. Ministério Da Educação. Conselho Nacional De Educação. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2008/pceb022_08.pdf>. Acessado em: 27 jun. 2016. BRASIL. Ministério Da Educação. Filosofia e Sociologia no Ensino Médio. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/par/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/12768-filosofia-e-sociologia-no-ensino-medio-sp-1870990710. Acessado em: 27 jun. 2016. BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (1997). Lei nº 9.475/97. Diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 23 de julho e 1997, seção I. CALENDARR. Calendário do Brasil. Disponível em: <http://www.calendarr.com/brasil/natal/>. Acessado em: 20 jun. 2016. CALMON, Pedro. História Social do Brasil: Espírito da Sociedade Colonial, São Paulo: Martins Fontes. 2010. CATOLICISMO. Nomes de Cidades religiosas. Disponível em: <http://catolicismo.com.br/materia/materia.cfm/idmat/D61549E6-3048-313C-2E5F3E729046D313/mes/Outubro1993>. Acessado em: 27 jun. 2016. CESARE, Paulo Henrique. Religião e Estado: Estado Laico é diferente de Estado antirreligioso. São Paulo: Consultor Jurídico, 2012. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2012-mar-21/estado-laico-nao-sinonimo-estado-antirreligioso-ou-laicista>. Acessado em: 07 jul. 2016. CERDA, Hugo. Los elementos de la investigación: como conocerlos, diseñarlos y contruirlos. Quito: Abya Yala, 1993. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000. CHAUÍ, Marilena. Iniciação à Filosofia. 2. ed. São Paulo: Ática, 2014. CHAUÍ, Marilena. Introdução à Filosofia. São Paulo: Ática, 2013. CONSULTOR JURÍDICO. A laicidade não expressa eliminação dos símbolos religiosos. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2009-ago-21/laicidade-nao-expressa-eliminacao-simbolos-religiosos>. Acessado em: 10 jun. 2016. CONSULTÓRIO JURÍDICO. Estado Religioso. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2014-mai-27/leia-palestra-ministro-gilmar-mendes-estado-religioes. Acessado em: 26 jun. 2016. CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL. Diretrizes e Bases normativas do CEC. Rio de Janeiro: CGADB, 2002. COMTE, A. Système de politique positive ou traité de Sociologie instituant la Religion de l’Humanité. T.II : Contenant la Statique Sociale ou le Traité abstrait de l’ordre humain. 3ème ed. Paris: Larousse. In: LACERDA, Gustavo Bicaia. Elementos Estáticos da Teoria Política de Alguste Comte. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, v. 23, n. 3, p. 63-78, set./nov. 2004. COTRIM, Gilberto. História Global. São Paulo: Saraiva, 2013. COX, Harvey. A Cidade Secular: A secularização e a urbanização na perspectiva teológica. São Paulo: Academia Cristã, 2015. CRISTO REDENTOR OFICIAL. A história em um clique. Disponível em: <https://cristoredentoroficial.com.br/a-historia-em-um-clique>. Acessado em: 25 jun. 2016. DEMO, Pedro. Conhecer e aprender: sabedoria dos limites e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2000. DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12ª Edição. São Paulo: Editora Cortez, 2006. DEMO, Pedro. Política Social, Educação e Cidadania. Campinas, SP.: Papirus, 1994. DEMO, Pedro. Saber Pensar. São Paulo: Cortez, 2000. DESCARTES, R. Discurso do método. Porto Alegre: Editora L&PM, 2014. DURKHEIM, É. As formas elementares de vida religiosa. São Paulo: Paulinas, 1989. DURKHEIM, É. As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Presença, 1998. ECO, Umberto. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1985. ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992. ESPIRITO SANTO. Currículo Básico da Escola Estadual, SEED-ES, 2009. ESQUISANI, Valdecir Antônio. Ensinar a Pensar. Porto Alegre: PUCRS, 2001. FAUSTO, Boris. História Geral da Civilização Brasileira: O Brasil Republicano. São Paulo: Difel, 1984. FOLHA DE SÃO PAULO. Entidades do comercio registram em 2015 o pior natal da década. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/12/1723640-entidades-do-comercio-registram-em-2015-o-pior-natal-da-decada.shtml>. Acessado em: 20 jun. 2016. FOUCAULT, M. Histoire de la folie à l'âge classique. Paris: Gallimard, 1972 (Coll. Tel). FULLAN, Michael; Hargreaves, Andy. A Escola como Organização Aprendente: buscando uma educação de qualidade. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2003. GALLO, Sílvio. Filosofia: experiência do pensamento. São Paulo: Scipione, 2014. GEISLER, Norman L.; NIX, William E. A General Introduction to the Bible. Chicago: Hardcover, 1986. GEORGE, Timothy. A Teologia dos Reformadores. Vida Nova, São Paulo, 2009. GLOBO. Presépio de Santa Branca. Disponível em: <http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2013/12/moradores-mantem-viva-tradicao-de-montar-presepios-em-santa-branca.html>. Acessado em: 25 jun. 2016. GLOBO. Religião dos Jovens brasileiros. Disponível em: <http://g1.globo.com/jornada-mundial-da-juventude/2013/noticia/2013/07/442-dos-jovens-entre-16-e-24-anos-sao-catolicos-diz-data-popular.html>. Acessado em: 15 jun. 2016. GRESCHAT, Hans-Jürgen. O que é ciência da religião? São Paulo: Paulinas, 2005. GOSPEL MAIS. Festas juninas evangélicas. Disponível em: <http://noticias.gospelmais.com.br/silas-malafaia-versao-gospel-festas-juninas-foco-jesus-54880.html>. Acessado em: 25 jun. 2016. HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003. HOBSBAWM, Eric J. A era do capital. 3 ed. Stanfor: Weindenfeld, 1977. IBGE. Censo Demográfico 2000 - Resultados do universo. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 20 ago. 2016. INSTITUTO DE PESQUISAS DATA POPULAR. Levantamento sobre a religião no Brasil. São Paulo. 2014. Disponível em: < http://www.agppesquisas.com.br/noticias-e-artigos/jovens-catolicos-sao-442-e-evangelicos-376-diz-pesquisa/ >. Acessado em: 15 fev. 2016. INSTITUTO DATAFOLHA DE PESQUISAS. Levantamento das religiões brasileiras. Disponível em: < http://datafolha.folha.uol.com.br/opiniaopublica/2013/09/138655096-mudanca-de-cenario-religioso.shtml> (2013a). Acessado em: 02 jun. 2016 INSTITUTO DATAFOLHA DE PESQUISAS. Cenário religioso nacional. Disponível em: < http://datafolha.folha.uol.com.br/opiniaopublica/2013/07/1314857-fatia-de-catolicos-e-a-menor-em-duas-decadas.shtml> (2013b). Acessado em: 02 jun. 2016. JUSTIÇA BRASIL. O crucifixo nos lugares públicos. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/21288/os-crucifixos-e-o-judiciario-brasileiro-religiao-historia-ou-cultura>. Acessado em: 19 jun. 2016. KASCHEL, Werner. Dicionário expandido da Bíblia de Almeida. 2 ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2005. LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2005. LUTERANOS. O nascimento de Jesus. Disponível em: <http://www.luteranos.com.br/conteudo/criancas-encenam-o-nascimento-de-jesus-em-presepio-vivo>. Acessado em: 25 jun. 2016. MACHADO. Jônatas. Estado Constitucional E Neutralidade Religiosa. São Paulo: Livraria do advogado, 2013. MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004. MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal: paradoxo do iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. MEC. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais e ética: v. 8 MEC/SEF, p. 146, 1997. MONDIN, Battista. Curso de filosofia. 10 ed. São Paulo: Paulus, 2006. MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005 MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 3. ed. Brasília: UNESCO, 2001. MORIN, E.; LE MOIGNE, J.L. A inteligência da complexidade. Paulo: Petrópolis, 2000. NAVARRO, Fred. Dicionário do Nordeste. Alagoas: Estação Liberdade, 2004. NOVA ESCOLA. A Educação Religiosa no Estado Laico. Disponível em http://novaescola.org.br/politicas-publicas/ensino-religioso-escola-publica-relacao-delicada-laica-religiao-747579.shtml. Acessado em 27 jun. 2016. O RIO DE JANEIRO. Festa junina. Disponível em: <http://www.oriodejaneiro.com/festajunina-htm/>. Acessado em: 25 jun. 2016. PARÓQUIA DA POMPÉIA. Presépio vivo. Disponível em: <http://www.paroquiadapompeia.com.br/site/presepio-vivo-2012>. Acessado em: 25 jun. 2016. PERRENOUD, Philippe. Dez Novas Competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. PERRENOUD, Philippe; THURLER, Mônica Gather. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002. PIERUCCI, Antônio Flávio. O crescimento da liberdade religiosa e o declínio da religião tradicional: a propósito do Censo de 2010. Anuac – Rivista Dell´Associazione Nazionale Universitaria Antropologi Culturali [on line]. Cagliari – Itália, v. 1, n. 2, nov. 2012. Disponível em: <ojs.unica.it/index.php/anuac/article/download/1610/1359>. Acessado em: 20 mar. 2016. PÚLPITO CRISTÃO. Nomes de Igrejas no Brasil. Disponível em: <http://www.pulpitocristao.com/2011/08/parece-mas-nao-e-clonagem-de-nomes.html>. Acessado em: 27 jun. 2016. RAMOS, Marise Nogueira. A Pedagogia das Competências: autonomia ou adaptação? 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002. REVISTA SUPER INTERESSANTE. São Paulo: Abril, 2015. Disponível em: <http://super.abril.com.br/voce-sabe-quais-sao-as-novas-sete-maravilhas-do-mundo-confira-aqui>. Acessado em: 22 jun. 2016. REVISTA VEJA. As sete Constituições da história do Brasil. Disponível em: <http://veja.abril.com.br/multimidia/infograficos/as-sete-constituicoes-da-historia-do-brasil>. Acessado em: 27 jun. 2016. ROUSSEAU, Jean Jacques. Do contrato social. 2 ed. Leme: EDIJUR, 2013. 154. Série Clássicos. SANTA BRANCA. Cidade presépio. Disponível em: <http://santabranca.sp.gov.br/?page_id=1170>. Acessado em: 25 jun. 2016. SARGENTIM, Hermínio. Dicionário de ideias afins. São Paulo: IBEP, 1990. SILVA, Paulo S. A Polaca. Disponível em: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/artigos/a-polaca. Acessado em: 25 jun. 2016. STORIG, Hans J. História Geral da Filosofia. Petrópolis: Vozes, 2008. STRECK, Gisela; LAUX, Núbia (Orgs.). Manual de normas para trabalhos científicos. 2 ed. rev. ampl. São Leopoldo: EST, ISM, 2009. TEIXEIRA, F.; MENEZES, R. As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006. TIMOTHY, George. Teologia dos Reformadores. São Paulo: Vida Nova, 2012. TRIVIÑOS, Augusto. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação: o positivismo, a fenomenologia, o Marxismo. São Paulo: Atlas, 1987. TUCKER, Ruth A. Até os Confins da Terra. São Paulo: Sociedade Religiosa, Edições Vida Nova, 1986. UFES, BIBLIOTECA CENTRAL. Guia para normalização de referências Bibliográficas. Vitória: UFES, 1998. UFES, BIBLIOTECA CENTRAL. Normalização e apresentação de trabalhos científicos e acadêmicos: Guia para alunos, professores e pesquisadores da UFES. Vitória: UFES, 1998. UNIVERSIDADE FEDRAL DO AMAZONAS. A história da Universidade. Disponível em:< http://www.ufam.edu.br/historia-da-ugm>. Acessado em: 25 jun. 2016. VERSIGNASSI, Alexandre. Quem matou Jesus? Revista Super Interessante. São Paulo, a. XV, n. 199, abril 2004, p. 17-29. WEBER, M. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: UNB, 1999. Yin Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/64
Issue Date: 21-Oct-2016
Appears in Collections:Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências das Religiões

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - Paulo Jonas dos Santos Junior.pdfDissertação - Paulo Jonas dos Santos Junior4,54 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.