Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/59
metadata.dc.type: Dissertação
Title: RELIGIÃO E ENFERMAGEM: RECUPERAÇÃO E APOIO AOS PACIENTES HIV/AIDS ASSISTIDOS PELA ENFERMAGEM
metadata.dc.creator: OLIVEIRA, SANDRA HELENA DE
metadata.dc.contributor.advisor1: Santos, Francisco de Assis Souza
metadata.dc.contributor.referee1: Gonçalves, José Mário
metadata.dc.contributor.referee2: Ulrich, Claudete Beise
metadata.dc.contributor.referee3: Santos, Francisco de Assis Souza dos
metadata.dc.description.resumo: Pretendeu-se, através deste estudo, analisar a grandeza da espiritualidade como uma estratégia de enfrentamento das pessoas diante do diagnóstico soropositivo para HIV/AIDS. Esta investigação de conclusão de especialização, em nível stricto sensu, foi uma síntese de pesquisas bibliográficas e pesquisa em grupo específico; incluindo a mensuração da importância da religiosidade do indivíduo infectado pelo vírus, assim como do corpo de enfermagem que com ele se relaciona. Percebeu-se que, ainda hoje, algumas doenças trazem às pessoas angústias, receios e preconceitos. Na contemporaneidade a Síndrome da Imunodeficiência (AIDS), imputam ao portador do HIV uma ideia iminente de morte. Tal pensamento acaba por levar o indivíduo a ponderações sobre a própria vida, sua trajetória e o seu desenvolvimento enquanto pessoa. A partir de tal situação, a religiosidade do infectado deve ser valorizada e respeitada pelo profissional de enfermagem e, desde que não haja intenção de sobrepor um segmento religioso deve, até mesmo, ser incentivado tal sentimento – dentro dos limites viáveis –, propiciando, dessa maneira, um encorajamento para o enfrentamento da situação. Na literatura existente verifica-se uma alta influência de católicos e evangélicos inseridos no contexto da saúde e da doença, os quais, consequentemente, passam a ter influência na vida dos portadores do HIV. O diagnóstico positivo ao HIV/AIDS, para um indivíduo, se apresenta em sentimentos que produzem surpresa e dor psíquica, podendo levá-lo ao isolamento, pois sente-se marginalizado e discriminado, dificultando sua convivência com as pessoas. Diante da dúvida do desfecho a partir de então, e por causa desse misto de sentimentos que envolve o paciente soropositivo há necessidade de um acompanhamento interdisciplinar e não somente com o doente de AIDS, mas também com seus familiares, no intuito de construir outros valores para a vida do paciente e, até mesmo, possibilidades para que se sintam partícipes do processo de superação da doença. Com o enfoque religioso, percebe-se que a doença pode não necessariamente significar a morte, mas uma outra forma de vida; tais como: enfrentamento, empoderamento e fortalecimento desse indivíduo, propiciando, assim, um aprendizado de como viver com a doença, assinalando maneiras de resgatar o respeito e a dignidade, dizimando, desse modo, os estigmas ligados à situação em que se encontra. Esta conscientização termina por propiciar aos portadores do vírus não serem vistos como indivíduos anormais, aberrações da natureza e/ou do comportamento.
Abstract: It is intended through this study, analyze the spirituality of greatness as a people coping strategy in the face of HIV positive diagnosis for HIV / AIDS. This research conclusion of expertise in the strict sense level was a synthesis of bibliographic research and research in specific group; including the measurement of the importance of religiosity of the individual infected by the virus, as well as the nursing staff with which it relates. It was noticed that, even today, some diseases bring people anxieties, fears and prejudices. In contemporary times the Immune Deficiency Syndrome (AIDS), brings to HIV positive imminent idea of death. Such thinking eventually leads the individual weights on his life, his career and his development as a person. From such a situation, the religiosity of infected should be valued and respected by the nursing staff and, provided there is no intention to override a religious following should even be encouraged such feeling - within feasible limits - providing, that way, an encouragement to face the situation. In literature there is a high influence of Catholics and evangelicals within the context of health and disease, which, consequently, are of influence on the lives of people with HIV. The positive diagnosis of HIV / AIDS, for an individual, is present in feelings that produce surprise and psychic pain, and can lead you to isolation because feels marginalized and discriminated against, making it difficult to live with people. Faced with the question of the outcome thereafter, and because of this mix of feelings involving seropositive patient is no need for an interdisciplinary monitoring and not only with the AIDS patient, but also with their families in order to build other values for the patient's life and even possibilities to make them feel participants in the process of overcoming the disease. With the religious focus, it is clear that the disease may not necessarily mean death, but another form of life; such as: coping, empowerment and strengthening of that individual, and thus provide a learning how to live with the disease, pointing out ways to redeem the respect and dignity, decimating thus the stigma attached to the situation you are in. This awareness ends for providing the virus carriers are not seen as abnormal individuals, freaks of nature and / or behavior.
Keywords: religiosidade, soropositivo HIV/AIDS, enfermagem
religion, HIV-positive HIV / AIDS nursing.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Religiões
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões
Citation: ALMEIDA, Maria Rita de Cassia Barreto de; LABRONICI, Liliana Maria. A trajetória silenciosa de pessoas portadoras do HIV contada pela história oral. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, mar. 2007. Disponível em: <http://www.ppgenf.ufpr.br/Disserta%C3%A7%C3%A3oAlmeida.pdf>. Acesso em 14 jul. 2014. AMARANTE et al. A influência do acompanhamento farmacoterapêutico na adesão à terapia anti-hipertensiva e no grau de satisfação do paciente. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl., 2010;31(3). Disponível em:<http://www.ceatenf.ufc.br/Artigos/2.pdf>. Acesso em 15 ago. 2014. AMMICHT-QUINN, Regina. O “bichinho do amor” - A integração do Brasil com os portadores de HIV. Concilium: Revista internacional de Teologia. Rio de Janeiro: Vozes. no 321, 2007. ARAÚJO, Maria Alix Leite et al. Vivências de gestantes e puérperas com o diagnóstico do HIV. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/reben/v61n5/a10v61n5.pdf>. Acesso em 18 out. 2015. BARBARÁ, Andréa; SACHETTI, Virginia A. Reis; CREPALDI Maria Aparecida. Contribuições das representações sociais ao estudo da AIDS. Interação. Curitiba-PR, jul. dez. 2005. Disponível em:< http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/psicologia/article/viewFile/4783/3670>. Acesso em 10 out. 2015. BARBOSA, Kaliane da Silva; RAMALHO, Maria Noalda. A influência do diagnóstico positivo na vida das mulheres contaminadas pelo HIV/AIDS. III jornada internacional de políticas públicas questão social e desenvolvimento no século XXI. M.S. série manuais nº 85. São Luís-MA, 2009. BATISTA, Patrícia Serpa de Souza. A valorização da espiritualidade nas práticas de educação popular em saúde desenvolvidas na atenção básica. RECIIS – R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro, v.4, n.3, p.49-55, Set., 2010. Disponível em: <http://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/viewFile/667/1315>. Acesso em 22 out. 2015. BRAGA, Osvaldo. Portal sobre aids, doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. 2007. Disponível em:< http://www.aids.gov.br/noticia/os-primeiros-casos-de-aids-no-brasil-surgiram-em-1980-ninguem-sabia-direito-que-doenca-era-a>. Acesso em 20 out. 2015. BRASIL, Manual de Adesão ao Tratamento para pessoas vivendo com HIV/AIDS. Ministério da Saúde. Série A. Normas e Manual técnicos, série n. 84. Brasília-DF, 2008. BRASIL, Manual de controle das doenças sexualmente transmissíveis DST. Ministério da Saúde. séries manuais, n. 68, 4 ed. Brasília, 2006. BRASIL. Aconselhamento em DST, HIV e Aids: diretrizes e procedimentos básicos. Ministério da Saúde, Coordenação Nacional de DST e Aids. 2 ed. Brasília, 1998. BRASIL. Cadernos de atenção básica nº 18. HIV/aids, Hepatites e Outras DST. Ministério da Saúde. Brasília-DF, 2006. BRASIL. Guia de vigilância epidemiológica. Ministério da Saúde. Série A. Normas e manuais técnicos, 6 ed. Brasília-DF, 2007. BRASIL. Manual de adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV e Aids. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Brasília: 130 p. il. Série A. Normas e Manuais Técnicos-Série Manuais; no 84. 2008. BRASIL. PAIVA, V.; GARCIA, J.; RIOS, L. F.; SANTOS, A. O.; TERTO JR., V.; MUÑOZ-LABOY, M. Comunidades religiosas e a prevenção do HIV dentro de um marco de direitos humanos. Global Public Health, Inglaterra, n. 7, abr. 2010. BRASIL. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis. Manual de bolso. Ministério da Saúde. Brasília - DF 2007. BRASIL. Secretaria de gestão estratégica e participativa. Ministério da Saúde. Brasília-DF, 2011. BRASIL. Vigilância em Saúde/Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: (Coleção Progestores - para entender a gestão do SUS, 6, I). CONASS, 2007. BRASIL.Ministério da Justiça. Disponível em:<htto://www.jusbrasil.com.br/tópicos/10619917/artigo-154-do-decreto-lei-n-2848-de-07-de-dezembro-de-1940>. Acesso em 15 abr. 2015. BRUCE, B. Duncan; SCHMITD, Maria Inês; GIUGLIANANI, Elisa R. J. e colaboradores. Medicina ambulatorial: Condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3 ed. Porto Alegre, 2006. CAMPOS, Luciana de Freitas; FERREIRA, Taysa Sant’Ana. O conhecimento veiculado em literatura nacional sobre integralidade em saúde. 2009, Abr. Jun. 14(2):368-73. Disponível em:<http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/viewFile/15707/10431>. Acesso em 15 ago. 2015. CARDOSO, Gisele P.; ARRUDA, Ângela. As representações sociais da soropositividade e sua relação com a observância terapêutica. Ciênc. saúde colet. 2004;10[1]:151-62. ABRASCO-Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a16v10n1>. Acesso em 15 ago. 2014. CARNEIRO, H. F. AIDS: a nova desrazão da humanidade. São Paulo: Escuta, 151p. 2000. CAVALCANTI, Desiree R. Comunicação do diagnóstico de doença grave (câncer) ao paciente... Pan-American Family Medicine Clinics. v. 01, 2005. Disponível em: <http://www.apamefa.com/publicacoes/vol012005/vol012005_Comunicacao_diagnostico.pdf>. Acesso em 22 out.2015. COMTE, Auguste. Discurso sobre o espírito positivo. Tradução: Ermantina, Maria. Pereira, Galvão G. São Paulo: ed. Martins Fontes, 1990. DASPETT, Celina. “Um estranho entre nós: a repercussão do Diagnóstico de HIV/AIDS na trajetória de casais Heterossexuais soroconcordantes”. PUC-São Paulo, 2005. Disponível em:<http://www.sapientia.pucsp.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1786>. Acesso: 20 ago. 2014. DAVID, Genair Lourdes Bogoni de. Interagindo com famílias que convivem com Aids: uma abordagem de enfermagem sob a visão de Imogene king. Florianópolis-SC,agostodeago.de2000,105p. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/78754/175496.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em 16 out. 2015. DICIONÁRIO AULETE. Disponível em:<http://www.aulete.com.br/>. Acesso em 20 jul. 2014. DICIONÁRIO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE. Disponível em: < http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/cuisau.html>. Acesso em: 23 marc. 2016. DORNELLES, Telma G. S., MOREIRA, Almerinda e MACHADO, Wiliam C.A. História da enfermagem versões e interpretações. Rio de Janeiro, 3ª, Revinter, 2009. Disponível em: <http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/CiencSociais_SilvaEV_1.pdf>. Acesso em: 26 fev. 2016. DREWERMANN, Eugen. Religião para que? Buscando sentido numa época de ganância e sede de poder. Em diálogo com Jürguen Hoeren. São Leopoldo, RS: Sinodal, 2004. DUNCAN, Bruce B. et al. Medicina ambulatorial: Condutas de atenção primária baseadas em evidências. Artmed, 3 ed. Porto Alegre, 2004. ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos - seguido de envelhecer e morrer. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: ed. Jorge Zahar, 2001. FARIA, Juliana B de; SEIDL, Eliane M Fleury. Religiosidade, enfrentamento e bem-estar subjetivo em pessoas vivendo com HIV/AIDS. Psicologia em Estudo, Maringá,v.11,n.1,p.155164,jan.abr.2006.Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v11n1/v11n1a18>. Acesso em 27 set. 2015. FERREIRA, Marieta de Moraes e AMADO, Janaína. Usos e abusos da história oral. Ed. Fundação Getúlio Vargas, 2 ed. 304 p. Rio de Janeiro-RJ, 1998. FRAAS, Hans-Jürgen. A religiosidade humana: compêndio de psicologia da religião. São Leopoldo: Sinodal, 1997. GIL, Antônio C. Como Elaborar Projeto de Pesquisa. Editora Atlas, São Paulo. 2002. GOMES, Andréa Rodrigues, BORGES, Marília Arlete Póvoa. A atuação do enfermeiro ante a família vivendo com aids. Goiânia-GO, 2003. Disponível em:< http://www.pucgoias.edu.br/ucg/institutos/nepss/monografia/monografia_04.pdf>. Acesso em 16 out. 2015. GONDIM, Ricardo. Pra começo de conversa. São Paulo: Fonte editorial, 2012. HOCK, Klaus. Introdução à ciência da religião. São Paulo: 2010.Disponível em: <http://www.bibliomed.com.br/bibliomed/bmbooks/infec/livro7/cap/cap02.htm>. Acesso em 28 ago. 2015. INCONTRI, Dora. Educação e espiritualidade: interfaces e perspectivas. Bragança Paulista: Comenius, 2010. LEITE. J.C.C; et al. 2002. Desenvolvimento de uma escala de auto-eficácia para adesão ao tratamento anti-retroviral. Psicologia: Reflexão e Crítica 15:121-133. v.15 no1. PortoAlegre, 2002.Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010279722002000100014&script=sci_arttext>. Acesso em 20 set. 2015. LEVIN, Jeff. Deus, fé e saúde. Tradução Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 2001. LEVY, Jay A. MD. Fatores Imunológicos e Virais da Infecção Causada pelo HIV.Cap.02,[s.d.]. Disponível em: <http://www.bibliomed.com.br/bibliomed/bmbooks/infec/livro7/cap/cap02.htm>. Acesso em 28 ago.2015. LILIAN, Hennemann-Krause. Ainda que não se possa curar, sempre é possível cuidar.V.11, n. 02. Cuidados Paliativos.2012.Disponível em: <http://revista.hupe.uerj.br/detalhe_artigo.asp?id=322>. Acesso em: Abr. Jun. 2012. LOTHAR, Carlos Hoch; HEIMANN, Thomas. Aconselhamento pastoral e espiritualidade. São Leopoldo, EST: Sinodal, 2008. MARCON, Sônia Silva et al. Dificuldades e conflitos enfrentados pela família no cuidado cotidiano a uma criança com doença crônica. Cienc. Cuid. Saúde. 2007; 6(Suplem.2):411-419. Disponível em: <http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/5340/3387>. Acesso em: 22 out. 2015. MARTINS, Antônio Carlos Borges. Pessoas vivendo com aids: corpos marcados? Revista da Faculdade Machado Sobrinho. Rems - seção: artigos. Brasília, 2008 p. 37. Disponível em:<http://machadosobrinho.com.br/revista_online/publicacao/artigos/Artigo04REMS.pdf>. Acesso em 17 out. 2015. MARX, Lore Cecília. Manual de gerenciamento de enfermagem. 2 ed. rev. e atual. São Paulo, EPUB, 2003. MELCHIOR, Regina et al. Desafios da adesão ao tratamento de pessoas vivendo com HIV/Aids no Brasil. Disponível em:<file:///C:/Users/Cliente/Downloads/32368-37553-1-PB.pdf>. Acesso em 15 ago. 2015. MINAYO, Maria Cecília de Souza. Representações da cura no catolicismo popular. In: ALVES, Paulo Cesar; MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Saúde e doença: um olhar antropológico. Rio de Janeiro: ed. Fiocruz, 1994. MONTEIRO, Dulcinéa da M. Ribeiro. Espiritualidade e finitude. São Paulo: Paulus, 2006. MONTERO, Paula. Da Doença à Desordem: A Magia na Umbanda. Ed. Graal, Rio de Janeiro. 1985. Disponível em: <http://www.cebrap.org.br/v2/files/upload/biblioteca_virtual/item_765/22_03_12_18Da_doenca_a_desordem%20.pdf>. Acesso em 03 set. 2014. MORAES, Ferreira, Marieta de; AMADO, Janaína. Usos e abusos da história oral. Ed. Fundação Getúlio Vargas, 2 ed. 304p. Rio de Janeiro-RJ, 1998. MUROFUSE NT, ABRANCHES SS, NAPOLEÃO AA. Reflexões sobre estresse e Burnout e a relação com a enfermagem. Revista Latino-americana de Enfermagem, 2005 mar. Abr.; 13(2):255-61. Disponível:<http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n2/v13n2a19.pdf>. Disponível em:<http://rlae.eerp.usp.br/>. Acesso em 18 out. 2015. NOÉ, Sidney Vilmar. Espiritualidade e saúde: da cura d´almas ao cuidado integral. São Leopoldo: Sinodal, 2004. OLIVEIRA, Poliéria Santos de; NÓBREGA, Maria Miriam Lima da; SILVA, Ana Tereza M. C. da; FERREIRA-FILHA, Maria de Oliveira. Comunicação terapêutica em enfermagem revelada nos depoimentos de pacientes internados em centro de terapia intensiva. Ver. Eletr. de Enfer. v. 07, n. 01, 2005. Disponível em: <https://www.fen.ufg.br/fen_revista/revista7_1/original_05.htm>. Acesso em 18 de out. 2015 PAIVA, V. ET AL. Comunidades religiosas e a prevenção do HIV dentro de um marco de direitos humanos. In Global Public Health, Inglaterra, no7. 2010. Disponível em: <http://www.abiaids.org.br/_img/media/Livreto%20Religi%C3%B5es%20completo.pdf>. Acesso em 15 ago. 2014. PANZINI, Raquel Gehrke; BANDEIRA, Denise Ruschel. Escala do coping Religioso-espiritual (ESCALA CRE): Elaboração e Validação de Construto. Porto Alegre. 2005. PASSARELLI, Carlos André. Aspectos políticos, sócio-culturais e clínicos. Revista qualidade de vida para pessoas vivendo com HIV/AIDS. ABIA, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: <http://www.abiaids.org.br/_img/media/anais%20qualidade%20de%20vida.pdf>. Acesso em 18 ago. 2015. PAULILLO, M.A.S. Pesquisa qualitativa e a história de vida. Ser. Soc. Ver. Londrina, v 2, nº. 2, 1999. Disponível em: http://www.ssrevista. uel.br/n1v2.pdf Acesso 16 jan. 2015. PESSINI, Léo. A espiritualidade pelas ciências e pela saúde. Estudo das características relacionadas à falha no retorno para aconselhamento pós-teste e entrega de resultado de HIV no centro de Testagem e Aconselhamento Betinho. São Paulo, 2007. PHYSIS: Revista de saúde coletiva. vol.23 no3 Rio de Janeiro jul. set. 2013. 2015. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010373312013000300003&script=sci_arttext>. Acesso em 11set. 2015. PINTO, Padre Raphael Colvara. O fenômeno religioso nos tempos atuais: um Deus incômodo. Agora: o jornal do Sul, Rio Grande do Sul, 10 nov. 2011. Disponível em: <http://www.jornalagora.com.br/site/content/noticias/detalhe.php?e=5&n=15847>. Acesso em 28 nov.2015. POLEJACK, Larissa; COSTA, Liana Fortunato. Aids e Conjugalidade: o desafio de con(viver).Brasília.DF, 2002. Disponível em: <http://www.unimep.br/phpg/editora/revistaspdf/imp32art08.pdf>. Acesso em 17 out. 2015. PONTES, Alexandra Carvalho; LEITÃO, Ilse Maria Tigre Arruda; RAMOS, Islane Costa. Comunicação terapêutica em Enfermagem: instrumento essencial do cuidado. Revista brasileira de enfermagem. v. 61, n. 3. Brasília, Mai. Jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672008000300006&script=sci_arttext>. Acesso em 18 set. 2015. PUTTINI, Rodolfo Franco. Curandeirismo e o campo da saúde no Brasil. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832008000100008&script=sci_arttext>. Acesso em 11set. 2015. QUINTANA Alberto M. Recensão do livro: A ciência da benzedura: mau olhado, simpatias e uma pitada de psicanálise. Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/index.php/estudos_teologicos/article/viewFile/730/665.199>. Acesso em 11set. 2015. ROSEMARY, Silva da Silveira, et al. Uma tentativa de humanizar a relação da equipe de enfermagem com a família de pacientes internados na UTI. Florianópolis, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v14nspe/a15v14nspe.pdf. Acesso em 18 out. 2015. SALGADO, Ana Paula Alves; ROCHA, Ruth Mylius; CONTI, Claudio de Carvalho. O enfermeiro e a abordagem das questões religiosas. Ver. Enf. UERJ, Rio de Janeiro, 2007 abr. jun. 15(2):223-8. Disponível em:<http://www.facenf.uerj.br/v15n2/v15n2a11.pdf>. Acesso em 18 out. 2015. SAMPAIO, Tânea Mara Viera. Aids e Religião: aproximações ao tema: binômio desafiado pela epidemia do HIV/AIDS. Disponível em: <http://www.unimep.br/phpg/editora/revistaspdf/impulso32.pdf>. Acesso em 26 jun. 2014. SANCHEZ, Zila van der Meer. As práticas religiosas atuando na recuperação de dependentes de drogas: a experiência de grupos católicos, evangélicos e espíritas. São Paulo, 2006. SANTOS, Elder Cerqueira; KOLLER, Sílvia Helena; PEREIRA, Maria Teresa L. Nobre. Religião, Saúde e Cura: um Estudo entre Neopentecostais. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932004000300011&script=sci_arttext>. Acesso em 07 jun. 2013. SANTOS, Franklin Santana. Arte de cuidar: saúde, espiritualidade e educação. Edições Loyola Bragança Paulista: Comenius, São Paulo, 1998. SANTOS, Ninalva de Andrade. Representações sociais de mulheres que vivem com o HIV/aids sobre aids, HIV e cuidado de enfermagem. Salvador, 2014. 247 f.. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n3/pt_06.pdf>. Acesso em 12 set. 2015. SAVIOLI, Roque Marcos. Fronteiras da ciência e da fé. São Paulo: Editora Gaia, 2006. SILVA, Ana Isabel. A arte de enfermeiro: Escola de enfermagem Dr. Ângelo de Fonseca. Ed. IU-Imprensa da Universidade de Coimbra. Coimbra, 2008. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=QCZpW82uQKcC&pg=PA363&dq=a+enfermagem&hl=ptBR&sa=X&ved=0CEQQ6AEwBGoVChMInamHvr2myAIVgxOQCh1egLZ#v=onepage&q=a%20enfermagem&f=false>. Acesso em 03 out.2015. SILVA, Joacir da. Responsabilidade civil do enfermeiro. João Pessoa-PB, 2006. SILVA, Shirley de Souza; AQUINO, Thiago-Antonio; SANTOS, Avellar de; Roberta Montenegro dos. O paciente com câncer: cognições e emoções a partir do diagnóstico. Rev. bras. ter. cogn. v.4 n.2 Rio de Janeiro dez. 2008. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180856872008000200006>. Acesso em 22 out. 2015. TAYLOR et al. Fundamentos da enfermagem: a arte e a ciência do cuidado em enfermagem. Artmed, 7ª ed., 2014, p. 34. Disponível em:<http://w ww.ebah.com.br/content/ABAAAfIpsAL/evolucao-historica-assistencia-enfermagem>. Acesso em: 14 mar. 2016. TERRIN, Aldo Natale. Saúde e Salvação-reflexão fenomenológica sobre a função terapêutica das religiões. In: TERRIN, Aldo Natale. O Sagrado Off Limits - a experiência religiosas e suas expressões. Tradução Euclides Balancin. São Paulo: Ed. Loyola, 1998. TORRES, Daniele Viana Maia. Histórias de vida dos pacientes com aids e em falha terapêutica. Fortaleza-CE, 2010, 173 p. Disponível em: <http://www.uece.br/cmacclis/dmdocuments/daniele_viana_maia_torres.pdf>. Acesso em 15 ago. 2015. TRIVIÑOS, A. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Paulus, 2005. VALCANTI et al. Coping religioso/espiritual em pessoas com doença renal crônica em tratamento hemodialítico. Rev. Esc. Enfer. USP. 2012; 46(4):838-45. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n4/08.pdf>. Acesso em 25 set. 2015. VALENTE, Neide Maria de Lourdes de Morais; BACHION, Maria Márcia; MUNARI, Denize Bouttelet. A religiosidade dos idosos: Significados, relevância e Operacionalização na percepção dos profissionais de saúde. 2004, Disponível em: <http://www.facenf.uerj.br/v12n1/v12n1a02.pdf>. Acesso em 28 set. 2015. VASCONCELOS, Eymard Mourão (Org.) A espiritualidade no trabalho em saúde. São Paulo. Hucitec, 2006. Disponível em:<file:///C:/Users/Acer/Downloads/669-2023-1-SM.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2016. ZAGO, Márcia Maria Fontão; AQUINO, Verônica Vrban. O significado das crenças religiosas para um grupo de pacientes oncológicos em reabilitação. Revista Latino-americana de Enfermagem, Jan. fev.; 15(1), 2007. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n1/pt_v15n1a07.pdf> Disponível em:<http:// www.eerp.usp.br/rlae>. Acesso em 18 out.2015.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/59
Issue Date: 4-Dec-2015
Appears in Collections:Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências das Religiões

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - Sandra Helena de Oliveira.pdfDissertação - Sandra Helena de Oliveira10,32 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.