Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/311
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1SANTOS, Francisco de Assis Souza dos-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1240820674289937pt_BR
dc.contributor.referee1SANTOS, Francisco de Assis Souza dos-
dc.contributor.referee2BROTTO, BROTTO-
dc.contributor.referee3BROTTO, LÉIA DAMASCENO DE AGUIAR-
dc.creatorSILVA, LIDIANE DA-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/5377296400572795pt_BR
dc.date.accessioned2019-10-25T19:16:43Z-
dc.date.available2019-06-27-
dc.date.available2019-10-25T19:16:43Z-
dc.date.issued2019-06-27-
dc.identifier.urihttp://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/311-
dc.description.abstractThis work aimed at establishing a dialogical interface between the subject between religion / religiosity and commitment of mental health - themes analyzed in the light of psychology and psychiatry. It has been investigated to what extent “religious bad faith”, which appeals to emotion and other harmful effects, causes damage to the mental and behavioral health of people fragile in their identity that fit the religious group as a form of belonging. The objective was to reflect and discuss how and why the religion taken to the extreme contributes to certain behaviors of negative effects, including a certain degree of fanaticism that results in psychiatric hospitalization or may, in the case of genetic predisposition, develop psychopathological diseases or psychotic outbreaks to the point that the subject attacks his own life. Theoretical foundation was sought in a diverse range of authors, but the pillar of them is Dalgalarrondo that deals with issues of religion / religiosity, psychopathology and mental health. After the bibliographic research, a qualitative field research was conducted with physicians and nurses at the Aristides Alexandre Campos Psychiatric Care Center (Capaac), in the city of Cachoeiro do Itapemirim-ES, state government entity. The instruments used were questionnaire, interview and empirical observation. Data from the respondents’ discourses were analyzed using the Laurence Bardin content analysis method and under the bias of greimasian semiotics, following in the footsteps of Diana Luz Pessoa Barros and José Luiz Fiorin. The focus was on patients seen in the period 2015-2016, with psychiatric outbreaks having religion / religiosity as a driving force for psychiatric hospitalization. It has thus been inferred that psychiatric patients are easily manipulated by the discourse of revived religions, with a high chance of becoming religious fanatics and abandoning medical treatment, believing in faith healing - a consequence that leads them to worsen mental health.pt_BR
dc.description.resumoEste trabalho se propôs ao estabelecimento de uma interface dialógica do sujeito entre religião/religiosidade e comprometimento da saúde mental – temas analisados à luz da psicologia e da psiquiatria. Investigou-se até que ponto a “má fé religiosa”, que apela à emoção e a outros efeitos nefastos, causa danos à saúde mental e comportamental de pessoas fragilizadas em sua identidade que se coadunam a grupo religioso como forma de pertença. Objetivou-se refletir e discutir como e por que a religião levada ao extremo contribui para certas condutas de efeitos negativos, inclusive a certo grau de fanatismo que resulta em internação psiquiátrica ou ainda possa, no caso de predisposição genética, desenvolver doenças psicopatológicas ou surtos psicóticos a ponto de o sujeito atentar contra a própria vida. Procurou-se fundamentação teórica em uma gama diversificada de autores, mas o pilar deles é Dalgalarrondo que trata sobre questões de religião/religiosidade, psicopatologia e saúde mental. Após a pesquisa bibliográfica, realizou-se uma pesquisa de campo de natureza qualitativa com médicos e enfermeiros do Centro de Atendimento Psiquiátrico Aristides Alexandre Campos (Capaac), na cidade de Cachoeiro do Itapemirim-ES, entidade do governo do estado. Os instrumentos utilizados foram questionário, entrevista e observação empírica. Os dados dos discursos dos respondentes foram analisados pelo método análise de conteúdo de Laurence Bardin e sob o viés da semiótica greimasiana, seguindo os passos de Diana Luz Pessoa Barros e José Luiz Fiorin. O foco incidiu sobre pacientes atendidos no período de 2015-2016, com surtos psiquiátricos tendo a religião/religiosidade como elemento impulsionador para a internação psiquiátrica. Inferiu-se daí que pacientes psiquiátricos são facilmente manipulados pelo discurso de religiões avivadas, com grandes chances de se tornarem-se fanáticos religiosos e abandonarem o tratamento medicamentoso, acreditando na cura pela fé – consequência que os leva à piora da saúde mental.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Mestrado Estagiário (estagiario.mestrado@fuv.edu.br) on 2019-10-25T19:16:43Z No. of bitstreams: 1 TCC - Lidiane da Silva.pdf: 7035727 bytes, checksum: 17c36f7420a2d4d8e76d57227c79139c (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2019-10-25T19:16:43Z (GMT). No. of bitstreams: 1 TCC - Lidiane da Silva.pdf: 7035727 bytes, checksum: 17c36f7420a2d4d8e76d57227c79139c (MD5) Previous issue date: 2019-06-27en
dc.languageporpt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentCiências da Religiõespt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências das Religiõespt_BR
dc.relation.referencesADORNO et al., Theodor W. Freudian theory and the pattern of fascist propaganda. Gesammelte Schriften Bd, v. 8, p. 407-432, 1972. ALBUQUERQUE, Carlos Manuel de Souza; OLIVEIRA, Cristina Paula Ferreira de. Saúde e doença: significações e perspectivas em mudança. Millenium, n. 24, p. 1-15, 2002. Disponível em: <https://bit.ly/2LDDbTO>. Acesso em: 4 set. 2017. ALVES, Daniel Gonçalves; ASSIS, Monique Ribeiro de. O desenvolvimento religioso e espiritual e a saúde mental: discutindo alguns de seus significados. Conexões PSI. Rio de Janeiro v. 3, n. 1, p. 72-100, jan./jun. 2015. AOSANI; Tânia Regina; NUNES, Karla Gomes. A Saúde Mental na Atenção Básica: a percepção dos profissionais de Saúde. Revista Psicologia e Saúde, v. 5, n. 2, p. 71-80, jul./dez. 2013. AMARAL, Ana Paula. A importância da vulnerabilidade ao stress vulnerabilidade ao stress no desencadear de doença física e mental doença física e mental perante circunstâncias de vida adversas. 244p. Tese (Doutorado em Ciências Biomédicas). Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, 2008. BABA, Sri Prem. Propósito: a coragem de ser quem somos. Rio de Janeiro: Sextante, 2018. BALTAZAR, Danielle Vargas Silva. Crenças religiosas no contexto dos projetos terapêuticos em saúde mental: impasse ou possibilidade? (Mestrado em Saúde Pública), 138 f. Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2003. BALTAZAR, Danielle Vargas; SILVA, Claudia Osorio da. O que a saúde mental tem a ver com religiosidade?, p. 75-97. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, Florianópolis, v .6, n. 14, 2014. BARBOSA et al. Silvânia da Cruz. Saúde Mental em enfermeiros plantonistas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU. In: ALVES et al., Railda Fernandes. (Orgs.). Psicologia da Saúde: teoria, intervenção e pesquisa, p. 217-241. Campina Grande: EDUEPB, 2011. BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977. BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. 4. ed. São Paulo: Ática, 2005. BELZEN, J. A. Psicopatologia e religião: uma análise psicobiográfica. Multitextos, ano 1, n. 1, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2HeCV9G>. Acesso em: 22 jan. 2017. BORBA, Patrícia Laubino. A inscrição do discurso do esquizofrênico no discurso religioso. Linguagem & Ensino, v. 11, n. 2, p. 393-417, jul./dez. Pelotas, 2008. BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental. Cadernos de Atenção Básica, n. 34. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, 2013. BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2. ed. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da política Nacional de Humanização. Série B, Textos Básicos de Saúde, Brasília, 2006. CARVALHO, Denis Barros de. Psicologia da Saúde Crítica no Contexto Hospitalar. Psicologia: ciência e profissão, v. 33, ano 2, p. 350-365, 2013. CASTORIADIS, Cornelius. Figuras do pensável: as encruzilhadas do labirinto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. CATALAN, Jean-François. O homem e sua religião: enfoque psicológico. São Paulo: Paulinas, 1999. CERQUEIRA-SANTOS, Elder; KOLLER, Sílvia Helena; PEREIRA, Maria Teresa Lisboa Nobre. Religião, saúde e cura: um estudo entre neopentecostais. Psicologia Ciência e Profissão, v. 24, ano 3, p. 82-91, 2004. CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. 15. ed. São Paulo: Atica, 2002. COELHO, Edméia de Almeida Cardoso. Gênero, saúde e enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 58, n. 3, p. 345-348, maio/jun., 2005. CUNHA, Andréa Lino e Silva. Análise de trabalhos em Psicologia da Saúde produzidos pela Universidade de Brasília de 2011 a 2015. Dissertação (Mestrado em Psicologia da Saúde). 119 f. Universidade de Brasília (UnB). Brasília-DF, 2016. DALGALARRONDO, Paulo. Religião, Psicopatologia & Saúde Mental. Porto Alegre: Artmed, 2008. FAGUNDES, Renata Borba. Uma breve análise do percurso gerativo de sentido em uma tira de Magali. In: SILEL, v. 2, n. 2, p. 1-8 p. Anais... do Uberlândia: EDUFU, 2011. FANATISME. Oeuvres complétes de Voltaire: dictionaire philosophique. Section I. Available. Disponível em: <http://twixar.me/Jy2K>. Acesso em: 06 maio 2019. FIORIN, José Luiz. Revista Delta, v. 15, n. 1, p. 177-207, 1999. FORTES et al., Sandra. Psiquiatria no século XXI: transformações a partir da integração com a Atenção Primária pelo matriciamento. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, ano 4, p. 1079-1102, 2014. FOUCAULT, Michel. História da loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1978. FRANKL, Viktor Emmil. Psicoterapia e sentido da vida: fundamentos da logoterapia e análise existencial. São Paulo: Quadrante, 1973. FREIRE, José Célio; MOREIRA, Virginia. Psicopatologia e religiosidade no lugar do outro: uma escuta levinasiana. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 8, n. 2, p. 93-98, 2003. FROMM, Eric. Análise do homem. 12. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1970. GAARDER, Jostein; HELLERN, Victor; NOTAKER, Henry. O livro das religiões. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. GARCIA NETO, Antonio; TAURO, David Victot-Emannuel. A psicose e saúde mental: impasses na contemporaneidade. Revista Psicologia e Saúde, v. 7, n. 2, p. 152-160, 2015. GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. GOMES, Nilvete Soares; FARINA, Marianne; DAL FORNO, Cristiano. Espiritualidade, religiosidade e religião: reflexão de conceitos em artigos psicológicos. Revista de Psicologia da IMED, v. 6, n. 2, p. 107-112, 2014. GUZZO, Raquel S. L.; LACERDA Jr., Fernando. Fortalecimento em tempo de sofrimento: reflexões sobre o trabalho do psicólogo e a realidade brasileira. Interamerican Journal of Psychology, v. 41, n. 2, p. 231-240, 2007. HELOANI, José Roberto; CAPITÃO, Cláudio Garcia. Saúde Mental e Psicologia do Trabalho. São Paulo em perspectiva, v. 17, ano 2, p. 102-108, 2003. HENNING, Martha Caroline; MORÉ, Carmen L. O. O. Religião e Psicologia: análise das interfaces temáticas, Revista de Estudos da Religião. PUC-SP, v. 9, p. 84-114, dez. 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2Q7m7nL>. Acesso em 15 maio 2019. HILLMAN, James. Uma busca interior em psicologia e religião. 3. ed. São Paulo: Paulus, 1984. JUNG, Carl G. Psicologia da religião oriental e ocidental. Petrópolis: Vozes, 1983. KOENIG, H. G. Religião, espiritualidade e transtornos psicóticos, p. 95-104. Revista de Psiquiatria Clínica, Suplemento 1, v. 34, São Paulo, 2007. KRAWULSKI, Edite. Construção da identidade profissional do psicólogo: vivendo as “metamorfoses do caminho” no exercício cotidiano do trabalho. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção, área de concentração Ergonomia), 207 f. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis-SC, 2004. LOTUFO NETO, Francisco. Psiquiatria e religião: a prevalência de transtornos mentais entre ministros religiosos. Tese (Livre Docência em Psiquiatria) 354 f. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Departamento de Psiquiatria. São Paulo, 1997. LOTUFO NETO, Francisco; LOTUFO, Zenon; MARTINS, José Cássio. Influências da Religião sobre a Saúde Mental. São Paulo: Esetec, 2009. LOWEN, Alexander. A espiritualidade do corpo: bioenergética para a beleza e a harmonia. 3. ed. São Paulo: Cultrix, 2000. MARCONI, Marina de Andrade; PRESOTTO, Zélia Maria Neves. Antropologia: uma introdução. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006. MATOS, Margarida Gaspar de. Psicologia da Saúde, saúde pública e saúde internacional. Análise Psicológica, v. 3, ano XXII, p. 449-462, 2004. MAY, Rollo. A arte do aconselhamento psicológico. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. MAY, Rollo. O homem à procura de si mesmo. 28 ed. Petrópolis: Vozes, 2001. MEC. Secretaria de Educação Fundamental. Saúde. Disponível em: <https://bit.ly/2Q28vKF>. Acesso em: 2 set. 2017. MENDES, Jailson dos Santos; NEVES, Tanarah Jessica de Souza; PARTAT, Anette Kelsei. Perfil dos trabalhadores em saúde mental do Caps II Araguaína. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v. 8, n. 1, p. 1-8, jan. 2015. MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001. MURAKAMI, Rose; CAMPOS, Claudinei José Gomes. Religião e saúde mental: desafio de integrar a religiosidade ao cuidado com o paciente, p. 361-317. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 65, ano 2, p. 361-317, mar./abr., 2012. NOGUEIRA, Fernanda Ferreira Marcondes. Isotopia temática e figuratividade em “Eis os amantes” e “Introdução” de Augusto de Campos. Estudos Semióticos, n. 3, p. 1-12, 2007. Disponível em: < https://bit.ly/2HlnQlv>. Acesso em: 12 set. 2017. NOGUEIRA-MARTINS, Luiz Antonio. Saúde mental dos profissionais de Saúde. Revista Brasileira Medicina do Trabalho, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 56-68, jul./set., 2003. OLIVEIRA, Márcia Regina; JUNGES, José Roque. Saúde mental e espiritualidade/religiosidade: a visão de psicólogos. Estudos de Psicologia, ano 17, n. 3, p. 469-476, set./dez. 2012. OMS. Livro de Recursos da OMS sobre Saúde Mental, Direitos Humanos e Legislação. 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2HlnQlv>. Acesso em: 24 jul. 2017. OPAS/OMS. Tema do Dia Mundial da Saúde de 2017, depressão é debatida por especialistas em evento na OPAS/OMS. Disponível em: <https://bit.ly/2YwdxSL>. Acesso em: 24 jul. 2017. OTTO, Rudolf. O Sagrado: um estudo do elemento não-racional na ideia do divino e a sua relação com o racional. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1985. PAIS-RIBEIRO, J.; LEAL, I. Psicologia da saúde: emergência e actualidade. In: LOPES et al., M. (Coord.). Psicologia aplicada, p.119-136. Lisboa, PT: RH, 2011. PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Entrevista com Zigmunt Bauman. Tempo social, v. 16, n. 1, p. 301-325, 2004. PASSOS, I. C. F. Cartografia da Publicação Brasileira em Saúde Mental: 1980-1996. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 19, n. 3, set./dez., 2003. PÁTARO, R. F; BOVO, M. C. A interdisciplinaridade como possibilidade de diálogo e trabalho coletivo no campo da pesquisa e da educação. Revista NUPEN, Campo Mourão, v. 4, n. 6, p. 45-63, jan./jul. 2012. PAULA, Andreia; PIMENTA, Rui. A influência de características de trabalho na Qualidade de Vida dos profissionais de Saúde Mental. Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE, v. 11, n. 2, p. 70-79, dez. 2013. PEREIRA, Alexandre de Araújo; VIANNA, Paula Cambraia de Mendonça. Saúde mental. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed, 2009. PERES, Julio Fernando Prieto; SIMÃO, Manoel José Pereira; NASELLO, Antonia Gladys. Espiritualidade, religiosidade e psicoterapia. Revista Psiquiatria Clínica, n. 34, supl 1, p. 136-145, 2007. PINHO et al., Leandro Barbosa de. Desafios da prática em saúde mental na perspectiva do modo psicossocial: visão de profissionais de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 14, ano 1, p. 25-32, jan./mar., 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2HmzAUO>. Acesso em: 27 jan. 2018. POCINHO, Margarida. Neurose, psicose e funcionamento borderline: uma análise a partir da estrutura do aparelho psíquico. Interações: sociedades e as novas modernidades, n. 27, Instituto politécnico de Coimbra, p. 72-100, dez. 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2HmzAUO>. Acesso em: 24 jan. 2018. RABELO, Maria Cristina M. Religião, ritual e cura. In: Saúde e doença: um olhar antropológico. ALVES, Paulo Cesar; MINAYO, Maria Cecília de Souza (Orgs.), p. 47-56. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1994. REINALDO, Amanda Márcia dos Santos; SANTOS, Raquel Lana Fernandes dos. Religião e transtornos mentais na perspectiva de profissionais de saúde, pacientes psiquiátricos e seus familiares. In: Saúde Debate. Rio de Janeiro, v. 40, n. 110, p. 162-171, jul./set. 2016. REICH, Wilhelm. Psicologia de massas do fascismo. 2. ed. Martins Fontes, 1988. RIBEIRO, José Luís Pais. A Psicologia da Saúde. In: Psicologia da Saúde: teoria, intervenção e pesquisa. ALVES et al., Railda Fernandes. (Orgs.), p. 23-64. Campina Grande: EDUEPB, 2011. ROSÁRIO, Nísia Martins do. Mostrar e esconder: eterno jogo da sedução um estudo do discurso da sedução no corpo fotografado, p. 1-9. Disponível em: <https://bit.ly/ 2YsNgVo>. Acesso em: 12 set. 2017. SAES, Débora Lacerda. Desafios de trabalhadores em saúde mental: o cotidiano dos serviços substitutivos. TCC. (Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Universidade do Estado da Bahia/ Núcleo de Saúde Mental). 79 f. Salvador-BA, 2010. SÁ JUNIOR, Luis Salvador de Miranda. Desconstruindo a definição de saúde. Jornal do Conselho Federal de Medicina (CFM), p. 15-16, jul./ago./set. 2004. Disponível em: <https://bit.ly/2HhWXAj>. Acesso em: 2 set. 2017. SAMPAIO, José Jackson Coelho. Epidemiologia da imprecisão: processo saúde/ doença mental como objeto da epidemiologia. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998. SCLIAR, Moacyr. História do conceito de saúde. Physis: revista Saúde Coletiva, v. 17, ano 1, p. 29-41, Rio de Janeiro, 2007. SEGUNDO, Juan Luis. O homem de hoje diante de Jesus de Nazaré. São Paulo: Paulinas, 1985. SILVA, Eliane Moura da. Entre religião, cultura e história: a escola italiana das religiões. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v. 11, n. 2, p. 225-234, jul./dez. 2011. SILVA, Sueli Maria Ramos da. Discurso de divulgação religiosa: semiótica e retórica. Tese (Doutorado em Linguística), 337 f. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. SILVA, Irisomar Fernandes. Introdução às práticas psicanalíticas. Vila Velha-ES: Cetapes, 2014. SILVEIRA, Luana Silveira da; NUNES, Mônica de Oliveira. Para Além e Aquém de Anjos, Loucos ou Demônios: Caps e Pentecostalismo em Análise/ In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Cadernos Humaniza SUS, v. 5, Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. SKINNER, Burrhus Frederi. Ciência e comportamento humano. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. SOARES, Camila Alves; TABOSA, Lucileide da Silva; QUEIROZ, Viviane Vicente. A gestão do trabalho no campo da saúde mental: desafios e possibilidades. Especialização em Gestão em Saúde da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira – UNILAB. Redenção, p. 1-15, 2014. STROPPA, André; MOREIRA-ALMEIDA, Alexander. Religiosidade e saúde. In: SALGADO, Mauro Ivan; FREIRE, Gilson. (Orgs.). Saúde e espiritualidade: uma nova visão da medicina, p. 427-443. Belo Horizonte: Inede, 2008. TATIT, Luiz. A abordagem do texto. In: FIORIN, José Luiz (Org.). Introdução à Linguística. São Paulo: Contexto, 2002. TEIXEIRA, José A. Carvalho. Psicologia da Saúde: Estado Actual e Perspectivas Futuras. Análise Psicológica, v. 2, ano X, p. 149-157, 1992. TEIXEIRA, José A. Carvalho; LEAL, Isabel. Psicologia da Saúde: contexto e intervenção. Análise Psicológica, v. 4, ano VIII, p. 453-458, 1990. UTSCH, Michael. Tarefas e limites da psicologia da religião: uma perspectiva dialogal. Numen: revista de estudos e pesquisa da religião, Juiz de Fora, v. 16, n. 2, p. 539-555, 2014. VALE, Rosângela Martins do. A dimensão da fé na perspectiva de Paul Tillich. V Congresso da ANPTECRE Religião, Direitos Humanos e Laicidade, 8p., v. 5 Anais..., 2015. VECCHIA, Marcelo Dalla; MARTINS, Sueli Terezinha Ferreira. Concepções dos cuidados em saúde mental por uma equipe de saúde da família, em perspectiva histórico-cultura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, ano 1, p. 183-193, 2009. VOLCAN, Sandra Maria Alexandre et al. Relação entre bem-estar espiritual e transtornos psiquiátricos menores: estudo transversal. Revista Saúde Pública, v. 37, ano 4, p. 440-445, 2003. pt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectDiscurso religiosopt_BR
dc.subjectManipulação discursivapt_BR
dc.subjectFanatismo religiosopt_BR
dc.subjectPaciente psiquiátricopt_BR
dc.subjectSaúde mentalpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIApt_BR
dc.titleA RELIGIÃO COMO ELEMENTO PROMOTOR DE INTERNAÇÃO PSIQUIÁTRICApt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
Appears in Collections:Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências das Religiões

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC - Lidiane da Silva.pdfTCC - Lidiane da Silva6,87 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.