Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/310
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1OLIVEIRA, David Mesquiati de-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5577933648133224pt_BR
dc.contributor.referee1OLIVEIRA, David Mesquiati de-
dc.contributor.referee2SANTOS, Francisco de Assis Souza dos-
dc.contributor.referee3MARLOW, Sergio Luiz-
dc.creatorABREU, FABIANO DA SILVA-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9172529989316609pt_BR
dc.date.accessioned2019-10-25T19:04:15Z-
dc.date.available2015-11-18-
dc.date.available2019-10-25T19:04:15Z-
dc.date.issued2015-11-18-
dc.identifier.urihttp://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/310-
dc.description.abstractThis thesis aims to investigate the issue of euthanasia from the interface between law and religion. The Trade Marks Registry has always been present within the civilization, in the case of controversial and hot topic, being sure your practice in hospitals, although this fact is not the majority of the population of knowledge. There is talk of its aspects involving religion and how this, in its various meanings, sees such an institute, and also addresses how the state is positioned against such a procedure to approve or repudiate the same, emphasizing the legal treatment such institute, ie how the law sees and what happens to those who venture into their practice in any of its forms, covering freedom of choice and the dignity of the human person. The research was developed through literature review. The Trade Marks Registry, present from the earliest times has undergone an evolution, being practiced by every civilization on a separate subject, given that these developments changed the euthanasia until we get the definition of today. Because it is the subject of great importance, it should be seen in the light of science and religion, it being understood that although they have different objects of study are not enemies as was thought in the past, can affirm that religion is contrary the practice of euthanasia, and in the scientific field there are numerous controversies. Euthanasia, within a legal approach, taking into account the Brazilian legal system, proves to be a criminal act. Sure that there is a certain law that will fit euthanasia as a crime, but by analogy, it is considered the crime of murder, and in Brazil there were several bills in an attempt to give a proper framework in an attempt to legalize or criminalize the said practice. It is made clear that it is an attitude rejected by religions addressed and that their practice is prohibited in Brazil, therefore considered as the crime of murder.pt_BR
dc.description.resumoA presente dissertação tem por objetivo investigar o problema da eutanásia a partir da interface entre Direito e Religião. O referido instituto sempre esteve presente no seio da civilização, tratando-se de assunto polêmico e atual, sendo certa sua prática nos hospitais, embora esse fato não seja do conhecimento da grande maioria da população. Fala-se de seus aspectos envolvendo a religião e como esta, em suas variadas acepções, enxerga tal instituto, bem como se aborda também como o Estado se posiciona frente a tal procedimento no sentido de aprovar ou repudiar o mesmo, enfatizando o tratamento jurídico dado a tal instituto, ou seja, como a lei o enxerga e o que ocorre com aqueles que se aventuram na sua prática, em qualquer de suas modalidades, abordando a autonomia da vontade e a dignidade da pessoa humana. A pesquisa foi desenvolvida por meio de revisão bibliográfica. O referido instituto, presente desde os tempos mais remotos passou por uma evolução, sendo praticado por cada civilização sobre uma temática própria, sendo certo que essa evolução modificou a eutanásia até chegarmos na definição dos dias de hoje. Por se tratar de assunto de relevante importância, o mesmo deve ser observado à luz da ciência e religião, entendendo-se que embora tenham objetos diferentes de estudo, não são inimigas como se pensava no passado, podendo-se afirmar que a religião é contrária à prática da eutanásia, e no campo científico há inúmeras controvérsias. A eutanásia, dentro de uma abordagem jurídica, levando-se em consideração o ordenamento jurídico pátrio, revela-se uma prática criminosa. Certo que não há uma lei determinada que venha enquadrar a eutanásia como crime, mas por analogia, esta é considerada crime de homicídio, tendo no Brasil existido vários projetos de lei na tentativa de dar um enquadramento próprio, na tentativa de legalizar ou incriminar a referida prática. Deixa-se claro que é uma atitude reprovada pelas religiões abordadas e que sua prática é proibida no Brasil, por isso considerada como crime de homicídio.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Mestrado Estagiário (estagiario.mestrado@fuv.edu.br) on 2019-10-25T19:04:15Z No. of bitstreams: 1 Dissertação - Fabiano da Silva Abreu.pdf: 12049451 bytes, checksum: c4c1414c05dce607c9f5f69fe6c2ba19 (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2019-10-25T19:04:15Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Dissertação - Fabiano da Silva Abreu.pdf: 12049451 bytes, checksum: c4c1414c05dce607c9f5f69fe6c2ba19 (MD5) Previous issue date: 2015-11-18en
dc.languageporpt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentCiências da Religiõespt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências das Religiõespt_BR
dc.relation.referencesABE, Jair Minoro; Scalzitti, Alexandre; FILHO, João Inácio da silva. Introdução à lógica para a ciência da computação. 2 ed. São Paulo: Arte & Ciência, 2002. ALMEIDA, Dom Luciano Mendes de. Novo Catecismo da Igreja Católica em perguntas e respostas. 15 ed. São Paulo: Loyola, 2004. ALVES, Rubem. O que é religião? 9 ed. São Paulo: Loyola, 2007. ______. O enigma da religião. 6 ed. Campinas: Papirus, 1988. ALVES S., Luis Alberto. Cultura religiosa: caminhos para a construção do conhecimento. Curitiba: Ibpex, 2009. ANDRADE, Claudinor de. As novas fronteiras da ética cristã. Bangú: CAPD, 2015. ANJOS, M. F. Bioética abrangência e dinamismo. In: Bioética, alguns desafios. São Paulo: Loyola, 2001. ______. Bioética no Brasil: Tendências e Perspectivas. São Paulo: Ideias e Letras, 2007. AQUINO, Felipe. Catecismo da Igreja Responde de A a Z. São Paulo: Loyola. 2005. AZEVEDO, GONZAGA. ALVARO, Luiz Travassos de. ROQUE, Nathaly Campitelli (Orgs.). Vade Mecum Doutrina – Humanístico. 4 ed. Método, 2014. BARBOZA, Heloisa Helena. Disposição do próprio corpo em face da bioética: o caso dos transexuais. GOZZO, Débora; LIGIERA, Wilson Ricardo (Orgs.). Bioética e direitos fundamentais. São Paulo: Saraiva, 2012. BARCHIFONTAINE, Christian de Paul de; PESSINI, Leo. Bioética: alguns desafios. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2002. BARROSO, Luis Robeto; MARTEL, Letícia de Campos Velho. A morte como ela é: dignidade e autonomia individual no final da vida. GOZZO, Débora; LIGIERA, Wilson Ricardo (Orgs.). Bioética e Direitos fundamentais. São Paulo: Saraiva, 2012. Acesso em: 06 abr. 2015. BARROS, Renata Furtado de. Destino de embriões excedentes: um estudo dessa problemática nos países do MERCOSUL. Releigh, Carolina do Norte, Estados Unidos da América: Lulu publishing, 2010. BARROS JÚNIOR, Edimilson de Almeida. Direito médico: abordagem constitucional da responsabilidade médica. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2011. BEAUCHAMP, Tom L. CHILDRESS, James F. Princípios de Ética Biomédica. São Paulo: Loyola, 2002. BERNARDINO, Diogo Edioton. Eutanásia: o direito de morrer? Revista Eletrônica de Filosofia. Pouso Alegre: v. 5, n. 13, p. 138-160, 2013. Disponível em <http://www.theoria.com.br/edicao13/eutanasia_o_direito_de_morrer.pdf>. Acesso em: 08 set. 2015. BÍBLIA SAGRADA, 33 ed. Revisada. Santa Cecília: Ave Maria, 2001. BONAVIDES, Paulo. O começo da história: A nova interpretação constitucional. Revista Latino-Americana de Estudos Constitucionais. Del Rey: n. 2, v. 3, 2003. BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Direito de Morrer Dignamente: Eutanásia, Ortotanásia, consentimento informado, testamento vital, Análise Constitucional e Penal e Direito Comparado. In SANTOS, Maria Celeste Cordeiro Leite (Org.), Biodireito – Ciência da vida, os novos desafios. São Paulo: RT, 2001. BORGES, Gustavo. Erro médico nas cirurgias plásticas. São Paulo: Atlas, 2014. BRAGA, Antônio. Obstetrícia Médico-legal e Forense. MONTENEGRO, Carlos Antônio Barbosa; REZENDE FILHO, Jorge de (Orgs.). Obstetrícia.12 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013. BRASIL. Código Penal 1940. ANGHER, Anne Joyce. Vade Mecum. São Paulo, Rideel, 2009. CABETTE, Eduardo Luiz Santos. Direito penal: parte especial I. São Paulo: Saraiva, 2012. CAIXETA, Francisco Carlos. Corações em Brumas – entre os direitos de amar e morrer. Jundiaí: Paco Editora, 2010. CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal: Parte Especial. 15 ed. São Paulo: Saraiva, 2015. CAMARGO, João Batista Monteiro; MARCHEZAN, Luiz Michel Rodrigues. Reflexões sobre a eutanásia, o morrer e o viver: para além do direito à vida, o direito à dignidade. ZIEMANN, Aneline dos Santos; ALVES, Felipe Dalenogare (Orgs.). A jurisdição Constitucional e os direitos fundamentais nas relações privadas: questões contemporâneas. São Paulo: PerSe, 2014. CARNEIRO, Antônio Soares; CUNHA, Maria Edilma et al. Eutanásia e distanásia: a problemática da Bioética. Jus Navigandi, Teresina, ano 2, n. 24, abr. 1998. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/1862/eutanasia-e-distanasia> Acesso em: 22 jun. 2014. CARVALHO, Vera Lúcia Marinzeck de. Conforto espiritual 2: respostas simples e diretas à luz do Espiritismo, que ajudam a entender melhor a vida e vencer as mais diversas dificuldades. São Paulo: Petit, 2006. CARREIRA, Suriman Bentes. Quimera: uma síntese crítica das religiões mais proeminentes, com maior enfoque no cristianismo. 3 ed. Brasília: Clube dos Autores, 2007. CARVALHO, Paula Marcilio de. O lucro e a efetividade dos direitos humanos. Petrópolis: KBR, 2013. CAVALCANTE FILHO, João Trindade. Direito Constitucional Objetivo: Teoria & questões. 2 ed. [s/l]: Alumnus, 2013. CESAR, Ribas Cezar. O Conhecimento Abstrativo em Duns Escoto. [s/l]: Edipucrs, 1996. CLOTET, Joaquim; FEIJÓ, Anamaria Gonçalves dos Santos; OLIVEIRA, Marilia Gerhardt de. Bioética: uma visão panorâmica. Porto Alegre: Edipucrs, 2005. ______. Bioética: uma aproximação. 2 ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2006. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Código de Ética Médica. Disponível em <http://www.portalmedico.org.br/novocodigo/integra_1.asp>. Acesso em: 27 ago. 2015. COSTA JÚNIOR, Emanuel de Oliveira. Coletando artigos jurídicos. Goiânia: Clube dos Autores, 2013. CORRÊA, José de Anchieta. Morte. São Paulo: Globo, 2008. CUNHA, Flávio Macedo. Vida e Existência: Fronteiras do Espaço-Tempo. São Paulo: Clube dos Autores, 2013. DALGALARRONDO, Paulo. Religião, Psicopatologia & Saúde Mental. Porto Alegre: Artmed, 2008. DALL’AGNOL, Darlei. Bioética. Rio de Janeiro: Cromosete, 2005. Declaração sobre a Eutanásia. Disponível em http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19800505_euthanasia_po.html. Acesso em: 06 set. 2015. ______. Bioética: princípios morais e aplicações. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. DINIZ, Maria Helena. O Estado Atual do Biodireito: Direito à morte digna. 4 ed. São Paulo: Saraiva, 2007. DOREA, Willian. O Homem de Nazaré. São Paulo: Clubes dos Autores, 2015. DRANE, James; PESSINI, Leoacir. Bioética, Medicina e Tecnologia: desafios éticos na fronteira do conhecimento humano. São Paulo: Loyola, 2005. DURAND, Guy. Introdução geral à bioética: história, conceitos e instrumentos. São Paulo: Loyola, 2002. ESCUDEIRO, Aroldo. Tanatalogia: conceitos – relatos – reflexões. Fortaleza: LC, 2008. ESSLINGER, Ingrid. De quem é a vida, afinal? São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. ESTEFAM, André; GONÇALVES, Victor Eduardo Rios. Direito penal parte geral esquematizado. 4 ed. São Paulo: Saraiva, 2015. ______. Direito Penal: parte especial. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2015. STEFFEN, Ronaldo. As grandes religiões do mundo. KUCHENBECKER, Valter (Coord.). O homem e o sagrado: a religiosidade através dos tempos. 8 ed. Canoas: ULBRA, 2004. STEPKE, Fernando Lolas. Bioética: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola. 2001. EVANS. Abigal Rian. O ministério terapêutico da igreja. São Paulo: Loyola, 1999. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. FERRER, Jorge José. Álvares, Juan Carlos. Para fundamentar a bioética: Teorias e paradigmas na bioética contemporânea. São Paulo: Loyola, 2005. FILHO, João Trindade Cavalcante. Direito Constitucional Objetivo: teoria e questões. 2 ed. São Paulo: Alumnus, 2013. FIUZA, Cezar. Direito Civil: curso completo. 11 ed. Belo horizonte: Del Rey, 2008. FONTES, Martins. Domínio da vida: aborto, eutanásia e liberdades individuais. São Paulo. Livraria Martins Fontes, 2003. FRANÇA, Genival Veloso de. Direito Médico. 11 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013. ______. Fundamentos de Medicina Legal. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. FRANCESCONI, Carlos Fernando; GOLDIN, José Roberto. Bioética Clínica. CLOTET, Joaquim; FEIJÓ, Anamaria Gonçalves dos Santos; OLIVEIRA, Marília Gherardt (Orgs.). Bioética: uma visão panorâmica. Porto Alegre: Edipucrs, 2005. ______. Tipos de eutanásia. Disponível em <http://www.ufrgs.br/bioetica/eutantip.htm>. Acesso em: 06 set. 2015. FULGENCIO, Paulo Cesar. Glossário – Vade Mecum. Rio de Janeiro: Mauad, 2007, p. 88. GALHA, Lucília Simões. Morte Assistida: temos o direito de escolher a forma como morremos? Alfragide – Portugal: Oficina do Livro, 2013. GALVÃO, Maria Cristiane Barbosa; RICARTE, Ivan Luiz Marques. Prontuário do paciente. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. GALVÃO, Fernando. Direito Penal: curso completo, parte geral. 2 ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2010. GARRIDO, Jaime Fernández. Linha de chegada – meditações diárias. 2 ed. Curitiba: RBC. 2008. GOLDIM, José Roberto; PROTAS, Júlia Schneider. Psicoterapias e bioética. CORDIOLI, Aristides Volpato (Coord.). Psicoterapias: abordagens atuais. 3 ed. Porto Alegre: Armeted, 2008. ______. Bioética. 2010. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/bioetica/textos.htm#eutanasia>. Acesso em: 10 abr. 2015. ______. Breve Histórico da Eutanásia. Disponível em <http://www.ufrgs.br/bioetica/euthist.htm>. Acesso em: 06 set. 2015. ______. Comentários sobre a Declaração da Eutanásia. Disponível em http://www.ufrgs.br/bioetica/eutvatic.htm. Acesso em: 14 set. 2015. ______. Eutanásia. 2004. Disponível em <http://www.ufrgs.br/bioetica/eutanasi.htm>. Acesso em 31 ago. 2015. ______. Eutanásia – Uruguai. Rio Grande do Sul: UFRGS. 1997. Disponível em <http://www.bioetica.ufrgs.br/eutanuru.htm>. Acesso em: 21 ago. 2015. GOZZO, Débora. LIGIERA, Wilson Ricardo. Bioética e Direitos Fundamentais. São Paulo: Saraiva, 2012. GRESCHAT, Hans-Jürgen. O que é Ciência da Religião? São Paulo: Paulinas, 2005. HASSEMER, Winfried. Direito Penal Libertatório. Belo Horizonte: Del Rey, 2007. HENRY, Jhon. A Revolução Científica e as origens da ciência moderna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. HINTERMEYER, Pascal. Eutanásia: a dignidade em questão. São Paulo: Loyola, 2006. HOLLAND, Stephen. Bioética: enfoque filosófico. São Paulo: Loyola, 2008. HOSSNE, Willian Saad. Competência do Médico. SEGRE, Marco; COHEN, Cláudio (Orgs.). Bioética. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2002. JESUS, Damásio de. Temas de Direito Criminal: 1ª série. São Paulo: Saraiva, 1998. ______. Temas de direito criminal: 2ª série. São Paulo: Saraiva, 2001. JONSEN, Robert R.; SIEGLER, Mark; WINSLADE, William J. Ética Clínica - Abordagem Prática para Decisões Éticas na Medicina Clínica - Jonsen Edição: 7ª Ano, McGraw Hill, 2012. JORNAL MUNDO JOVEM. Ensino religioso e cidadania: textos e dinâmicas. Porto Alegre: 2004. JORNAL DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Ano XXV. n. 184. 2010. JUNGES, José Roque. Bioética, perspectivas e desafios. São Leopoldo: Unisinos, 1999. ______. Bioética: hermenêutica e casuística. São Paulo: Loyola, 2006. KOVÁCS, Maria Júlia. Educação para a morte: temas e reflexões. São Paulo: Casa do Psicólogo, Fapesp, 2003. KIPPER, Délio José. Marques, Caio Ceolho. Feijó, Anamaria. Ética e pesquisa: reflexões. Porto Alegre: Edipucrs, 2003. KUCHENBECKER, Valter. O homem e o sagrado: a religiosidade através dos tempos. 8 ed. Canoas: ULBRA, 2004. KÜHL, Eurípides. Deus, espírito e universo: o espiritismo e os desafios do século 21. São Paulo: Petit, 2009. ______. Animais, nossos irmãos. [s/l]. Petit, 1995. LEMOS, Ricardo. O melhor da vida após os cinquenta anos. São Paulo: Biblioteca 24 horas, 2013. LEPARGNEUR, Hupert. Bioética, Novo Conceito: A Caminho do Consenso. São Paulo: Loyola, 2004. ______. Bioética da Eutanásia: argumentos éticos em torno da eutanásia. Disponível em <http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/viewFile/292/431>. Acesso em: 05 out. 2015. LIMA, José Antônio Farha Lopes de. Extradição no Brasil e na União Europeia: Os casos Cesare Battisti E Julian Assange. São Paulo: Atlas, 2014. LOPES, Antônio Carlos. Diagnóstico e tratamento. Barueri: Manole, 2006. LOUREIRO, Cláudia Regina Magalhães. Introdução ao biodireito. São Paulo: Saraiva, 2009. MAGALHÃES, Leslei Lester dos Anjos. O princípio da dignidade da pessoa humana e o direito à vida. São Paulo: Saraiva, 2012. MARINZECK, Vera Lucia. Conforto Espiritual 1. São Paulo: Petit, 2005. MARTEL, Letícia de Campos Velho. A morte como ela é: dignidade e autonomia individual no final da vida. GOZZO, Débora; LIGIERA, Wilson Ricardo (Orgs.). Bioética e direitos fundamentais. São Paulo: Saraiva, 2012. MARTELLI, Fabiana da Silva. Eutanásia: uma vida estragada pelo sofrimento vale a pena ser vivida? Santa Maria: Clube dos Autores, 2007. MARTINS, Márcio Sampaio Mesquita. Direito à morte digna: Eutanásia e morte assistida. Disponível em http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8765. Acesso em: 14 set. 2015. MASSON, Cleber. Direito Penal: esquematizado. 5 ed. São Paulo: Método, 2013, p. 23. MCGRATH, Alister E. Fundamentos do diálogo entre Ciência e Religião. São Paulo: Loyola, 1999. MELO, Nehemias Domingos de. Resposabilidade Civil por erro médico: doutrina e jurisprudência. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2014. MEIRELES, Rose Melo Vencelau. Internação compulsória e sustentabilidade. PERREIRA, Tânia da Silva; OLIVEIRA, Guilherme de; MELO, Alda Marina de Campos (Orgs.). Cuidado e Sustentatilidade. São Paulo: Atlas, 2014. MENDES, Conceição Aparecida. Universo: Fonte da Vida. São Paulo: Clube dos Autores, 2007. MERCÚRIO, Ruy. A arte de curar – A ciência e a fé: curas e milagres. São Paulo: Marco Zero, 2004. MESSA, Ana Flávia; ANDREUCCI, Ricardo Antônio; HADDAD, Daniel Wagner. Polícia Federal: delegado e agente. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2014. MIRANDA, Mário França de. A Igreja numa sociedade fragmentada. São Paulo: Loyola. 2006. MÖLLER, Letícia Ludwig. Direito à Morte com Dignidade e Autonomia: O Direito à Morte de Pacientes Terminais e os Princípios da Dignidade e Autonomia da Vontade. Curitiba: Juruá, 2007. MONTEIRO, Sérgio Simões. O que ensina o espiritismo. São Paulo: Mauad, 2007. NAMBA, Edison Tetsuzo. Manual de Bioética e Biodireito. São Paulo: Atlas, 2014. NETO, Alexandre Caldini. A morte da visão do espiritismo: um livro para quem quer compreender o que acontece no momento em que morremos e depois. São Paulo: Belaletra, 2013, [s/p]. NETTO, Santos Fiorini. Direito Penal Parte Geral. Pará de Minas: Virtualbooks, 2013, p. 80. NOGUERIA, Ivete. Navegando na vibração cósmica. Porto Alegre: AGE, 2000. NOVELINO, Marcelo. Direito Constitucional. 7 ed. São Paulo: Método, 2012. PACHECO FILHO, Vilmar Velho; ROCHA JR, Francisco Monteiro. Exame de Ordem: direito penal. Curitiba: Iesde, 2012. PALDRÖN, Tsering. A Arte da Vida: Os fundamentos do Budismo. São Paulo: Ground, 2001. PALMER, Michael. Problemas morais em medicina: curso prático. São Paulo: Loyola, 1999. PAPALIA, Diane E., OLDS, Sally Wendkos. FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento Humano. 10 ed. Tradução: Carla Filomena Marques Pinto Vercesi. Dulce Catunda. José Carlos Barbosa dos Santos. Mauro de Campos Silva. Porto Alegre: AMGH, 2010. PAULINO-PEREIRA, Fernando César. Religião e Psicologia: Sofrimento e Experiência Religiosa. Jundiaí: Pacto Editorial, 2015. PEGORARO, Olinto A. O lugar da bioética na história da ética e o conceito de justiça como cuidado. PESSINI, Leo; BARCHIFONTAINE, Cristhian de Paul de (Orgs.). Bioética & Longevidade Humana. São Paulo: Loyola, 2006. PERREIRA, Marco A. Stanojeve; PERREIRA, Antônio Pacheco. Óptica Teológica do Espiritismo Cristão. São Paulo: Clube dos autores, 2010. PEREIRA, Pe. Leo. Saborear a vida. 5 ed. São Paulo: Loyola, 2005. PERREIRA, Zacarias Pires. Eutanásia e Distanásia: Bioética e Ação Médica. Revista Húmus. v. 3, n. 7, 2013. PESSINI, Leocir. Distanásia: Até quando prolongar a vida? São Paulo: Loyola, 2001. ______. Eutanásia: Por que abreviar a vida? São Paulo: Loyola, 2004. ______. Dizer adeus à vida com elegância e dignidade. Disponível em <http://www.crmpr.org.br/Dizer+adeus+a+vida+com+dignidade+e+elegancia+13+611.shtml>. PESSINI. Leocir. BARCHIFONTAINE, Chistian de Paul de. Bioética: alguns desafios. São Paulo: Loyola, 2001. PESSINI, L; HOSSNE, W. S. Bioética e religião: um diálogo necessário. Revista Bioethikos. Centro Universitário São Camilo. a. 7, v. 4, 2013. Disponível em http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/155557/editorial%20pt-br.pdf. Acesso em: 22 out. 2015. PHITAN, Lívia Hanygert. A dignidade humana como fundamento jurídico das ordens de não-ressuscitação. Porto Alegre: Edipucrs, 2004. ______. Reflexões bioéticas sobre a ortotanásia no direito brasileiro. LOCH, Jussara de Azambuja; SOUZA, Vinicius Sporled de (Orgs.). Bioética na atualidade. Porto Alegre: Edipucrs, 2014. PINHO, Rodrigo César Rebello. Teoria geral da constituição e direitos fundamentais. 12 ed. São Paulo: Saraiva, 2012. POLETO, Carlos Eduardo Minozzo. Indignidade sucessória e deserdação. São Paulo: Saraiva, 2013. PORTO, and Celmo Celeno. Cartas aos Estudantes de Medicina. Guanabara Koogan, 2014. VitalBook file. Disponível em http://integrada.minhabiblioteca.com.br/books/978-85-277-2433-3/epubcfi/6/128. ______; PORTO, Arnaldo Lemos (Eds.). Semiologia médica. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. RACHELS, James. RACHELS, Stuart. A coisa certa a fazer: leituras básicas sobre filosofia moral. 6ª ed. Tradução: Delamar José Volpato Dutra. Porto Alegre: AMGH, 2014. RAMOS, Augusto César. Eutanásia: aspectos e jurídicos da morte. Florianópolis: OAB/SC, 2003. RAMOS, André de Carvalho. Curso de Direitos Humanos. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2015. RAMPAZZO, Lino. Antropologia, Religiões e Valores Cristãos. 3 ed. São Paulo: Loyola, 2004. REGO, Sérgio, PALÁCIOS, Maria; SIQUEIRA-BAPTISTA, Rodrigo. Bioética para profissionais da saúde. Rio de Janeiro: Fio Cruz, 2009. Resolução do Conselho Federal de Medicina nº. 1.480/97, disponível em <http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/1997/1480_1997.htm>. Acesso em: 06 set. 2015. RIBEIRO, Michelly. Príncipes do Brasil. [s/l]: Clube dos Autores, 2008. ROBERTI, Maura. Eutanásia e Legislação Penal. Universidade de Sorocaba (Org.). Diálogos Interuniversitários: Vida e Morte – Educação e Saúde. Sorocaba: Universidade de Sorocaba; Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002, p. 129-138. Aqui p. 129. ROCHA, Renata da. O direito à vida e a Pesquisa com Células-Tronco. Rio de Janeiro: Campus, 2008. RODRIGUES, Rômulo B. Os Ensinamentos De Siddartha Gautama, O Buda. São Paulo: Clube dos Autores, 2010. RON, Leifer. Projeto Felicidade. São Paulo: Cultrix, 1997. SÁ, Maria de Fátima de. Direito de morrer: eutanásia, suicídio assistido. 2 ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2005. ______; OLIVEIRA, Bruno Torquato de. Bioética, biodireito e o Código Civil de 2002. Belo Horizonte: Del Rey, 2004. SANTORO, Luciano de Freitas. Morte digna: o direito do paciente terminal. Curitiba: Juruá, 2010. SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos Fundamentais na Constituição Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001. SAVIOLI, Roque Marcos. Médico graças a Deus. São Paulo: Loyola, 2007. SCHWARZ, Richard W; GREENLEAF, Floyd. Portadores de luz: História da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Engenheiro Coelho – SP: Unaspress, 2009. SEGRE, Marcos; COHEN, Cláudio. Bioética. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1995. SGRECCIA, Elio. Manuale di bioetica. Milano: Vita e Pensiero, 1994. ______. Manual de Bioética: Fundamentos e Ética Biomédica. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2002. SIGNIFICADOS: descubra o que significa, conceitos e definições. 2011-2015. Significado de Ciência. Disponível em: <http://www.significados.com.br/>. Acesso: 08 mai. 2015. SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico, 31 edição. Rio de Janeiro: Forense, 2014, VitalBook file. Disponível em <http://integrada.minhabiblioteca.com.br/books/978-85-309-5736-0/epubcfi/6/10>. Acesso em: 28 ago. 2015. SILVA, Sônia Maria Teixeira da. Eutanásia. Ano 5, n. 48. 1 dez 2000. Teresina. Jus Navigani, 2000. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/1863>. Acesso em: 10. abr. 2015. SOARES, André Marcelo M. PIÑEIRO, Walter Esteves. Bioética e biodireito: uma introdução. Ipiranga: Loyola, 2002. SONG, Robet. Genética Humana: fabricando o futuro. São Paulo: Loyola, 2005. SOUZA, Rui Antônio de. Expressões religiosas. MUNDO JOVEM (Org.). Ensino Religioso e Cidadania: textos e dinâmicas. Porto Alegre: Edipucrs, 2004. SOUZA, V. C. T.; PESSINI, L.; HOSSNE, W. S. Bioética, religião, esp... Revista Bioethikos. Centro Universitário São Camilo. a. 6, v. 2, 2012. Disponível em http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/94/a7.pdf. Acesso em: 21 out. 2015. SUSIN, Luiz Carlos. Ciência e Religião: amigas ou inimigas? JOVEM, Mundo (org). Ensino Religioso e Cidadania. Porto Alegre: Edipucrs, 2004. SWEETMAN, Brendan. Religião: conceitos-chave em filosofia. São Paulo: Penso,2007. TAVARES, André Ramos. Curso de Direito Constitucional. 9 ed. São Paulo: Saraiva, 2011. TEIXEIRA, Cícero Marcos. O ser humano, espiritualidade, tanatologia, bioética, à luz do espiritismo. GOLDIN, José Roberto (Org.). Bioética & Espiritualidade. Porto Alegre: 2007. TEIXEIRA, Sálvio de Figueiredo. Direito e Medicina: aspectos jurídicos da medicina. Belo Horizonte: Del Rey, 2000. TILGHMAN, B.R. Introdução à filosofia da religião. São Paulo: Loyola, 1996. TORRES, Blancard Santos. Doença, fé e esperança: obra inspirada em Frei Damião. Recife: Universitária da UFPE, 2007. URBANO, Zilles. O problema do conhecimento de Deus. 2 ed. Porto Alegre: Edipucrs, 1989. VILLAS-BÔAS, Maria Elisa. Da Eutanásia ao Prolongamento Artificial. Aspectos Polêmicos na disciplina jurídico-penal do final de vida. Rio de Janeiro: Forense, 2005. V CONGRESSO MÉDICO ESPÍRITA. Carta de Princípios estabelecida no V Congresso Médico-Espírita (MEDNESP), em 28/05/2005. Associação Médico Espírita do Brasil (AMEB), 2005. Disponível em: <http://www.amebrasil.org.br/html/carta_mednesp.htm>. Acesso em: 08 mai. 2015. ZIEMANN, Aneline dos Santos; ALVES, Felipe Dalenogare. A jurisdição constitucional e os direitos fundamentais nas relações privadas: questões contemporâneas. São Paulo: Perse, 2014.pt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectEutanásiapt_BR
dc.subjectReligiãopt_BR
dc.subjectEstadopt_BR
dc.subjectLeipt_BR
dc.subjectHomicídiopt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIApt_BR
dc.titleEUTANÁSIA: VISÃO RELIGIOSA E ESTATALpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
Appears in Collections:Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências das Religiões

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - Fabiano da Silva Abreu.pdfDissertação - Fabiano da Silva Abreu11,77 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.