Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/28
metadata.dc.type: Dissertação
Title: DA LEI AO COTIDIANO ESCOLAR: OS DESAFIOS DO ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DE SÃO FRANCISCO – ES
metadata.dc.creator: VIEIRA, INGRID CÂMARA LUIZ
metadata.dc.contributor.advisor1: Gonçalves, José Mário
metadata.dc.contributor.referee1: Cavalcante, Ronaldo de Paula
metadata.dc.contributor.referee2: Quintão, Leandro do Carmo
metadata.dc.contributor.referee3: Gonçalves, José Mário
metadata.dc.description.resumo: O presente trabalho dissertativo analisa as políticas públicas educacionais voltadas ao reconhecimento da pluralidade cultural nacional e à valorização da população afro-brasileira, evidenciando a emergência da Lei 11.645/2008, que tornou obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira, nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, públicos e privados do nosso país, bem como os aparatos legais complementares à temática. Diante disso, o trabalho centrou-se no exame da prática pedagógica desenvolvida por professores do ensino médio, que ensinam a temática afro-brasileira na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio João XXIII – ES, sobretudo para entender como as representações da cultura e a escolha da abordagem histórica perpetuam o racismo e a intolerância religiosa na escola e na sociedade. Apresenta um estudo socio-histórico acerca dos entraves impostos pela sociedade à cultura afro-brasileira em virtude do racismo e da intolerância religiosa, tal como esses intervenientes históricos atuam ainda hoje no sistema de ensino nacional, no sentido de impedir ou até mesmo prejudicar o ensino da história e cultura afro-brasileira na escola. Levando em consideração o objetivo maior, foi realizada a pesquisa de campo do tipo qualitativa, nos meses de novembro e dezembro de 2016, que incluiu a realização de entrevistas com 10 professores do ensino médio, bem como a apreciação do Projeto Político Pedagógico da instituição em questão. As análises das informações obtidas constatam que a prática didática dos professores é calcada em um currículo monocultural, que não contempla a diversidade étnico-racial e religiosa dos alunos. Assim sendo, a instituição desenvolve o ensino da história e cultura afro-brasileira permeado de estereótipos e preconceitos, que em nada contribuem para a superação do racismo e da intolerância religiosa, antes reforçam e perpetuam o ciclo de opressão vivenciado pelos negros na sociedade brasileira
Abstract: This dissertation analyzes educational public policies aimed at the recognition of the national cultural plurality and the appreciation of the Afro-Brazilian population, evidencing the emergence of Law 11.645 / 2008, which made the teaching of Afro-Brazilian history and culture compulsory in schools, primary and secondary education, public and private schools in our country, as well as the legal apparatus complementary to the theme. Therefore, the work focused on the examination of the pedagogical practice developed by high school teachers, who teach the Afro-Brazilian theme at the State School of Primary and Secondary Education, especially to understand how the representations of culture and choice of historical approach perpetuates racism and religious intolerance in school and society. It presents a socio-historical study about the obstacles imposed by society to Afro-Brazilian culture due to racism and religious intolerance, as these historical actors still act today in the national education system, in order to prevent or even prejudice teaching of Afro-Brazilian history and culture in school. Taking into account the larger objective, qualitative field research was carried out in November and December 2016, which included interviews with 10 high school teachers, as well as the appreciation of the Pedagogical Political Project of the institution in question. The analysis of the information obtained shows that the didactic practice of teachers is based on a monocultural curriculum, which does not contemplate the ethnic-racial and religious diversity of the students. Thus, the institution develops the teaching of Afro-Brazilian history and culture permeated by stereotypes and prejudices, which in no way contribute to overcoming racism and religious intolerance, rather reinforce and perpetuate the cycle of oppression experienced by blacks in Brazilian society.
Keywords: Racismo. Intolerância religiosa. Prática pedagógica
Racism. Religious Intolerance. Pedagogical Practice.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Religiões
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões
Citation: ABRAHÃO, Bruno Otávio de Lacerda; Soares, Antonio Jorge Gonçalves. O corpo negro e os preconceitos impregnados na cultura: uma análise dos estereótipos raciais presentes na sociedade brasileira a partir do futebol. Movimento, Porto Alegre: v. 17, n. 4, p. 265-280, out./dez., 2011. BASTIDE, Roger. As Religiões Africanas no Brasil. São Paulo: Pioneira - Ed. da Universidade de São Paulo, 1989. BERGMANN, M. 1972. Nasce um povo. 2 ed Petrópolis: Editora Vozes, 1978. BERNARDO, Teresinha; MACIEL, Regimeire Oliveira. Racismo e educação: um conflito constante. Contemporânea, São Carlos, v. 5, n. 1, p. 191-205, jan./jun., 2015. BERKENBROCK, Volney. A Experiência dos Orixás: Um estudo sobre a experiência religiosa no Candomblé. 3 ed Rio de Janeiro: Vozes, 2007. BITTENCOURT FILHO, José. Matriz religiosa brasileira: Religiosidade e mudança social. Petrópolis: Vozes; Rio de Janeiro: Koinonia, 2003. BORGES, E. M. F. Inclusão da história e da cultura afro-brasileira e indígena nos currículos da educação básica e superior: momento histórico ímpar. Revista Científica FacMais, v. IV, p.68-78, 2015. Disponível em: <http://revistacientifica.facmais.com.br/wp-content/uploads/2015/08/artigos/cultura_africana.pdf >. Acesso em: 6 set. 2017. BURLAMAQUE, Frederico Leopoldo César. Memória analítica acerca do comércio de escravos e acerca dos males da escravidão doméstica. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1988. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988, Art. 5º, XLII – a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 17 jun. 2017. BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 7 jul. 2017. BRASIL. Lei nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Disponível: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm#art1>. Acesso: 30 out. 2017. BRASIL. Lei nº. 11.645, de 8 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm#art1>. Acesso: 30 out.2017. BRASIL. Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. Institui o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. Art. 1o. Disponível em: <http//www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/L12519.htm>. Acesso em: 24 ago. 2017. BRASIL. Lei nº 13.185, de 6 de novembro de 2015. Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13185.htm>. Acesso em: 16 jun. 2017. BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 17 de junho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Art. 2°. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/res012004.pdf>. Acesso em: 5 mar.2017. BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 2, de 31 de janeiro de 2007. Parecer quanto à abrangência das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. p.3. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pceb002_07.pdf>. Acesso em: 27 set. 2017. BRASIL. Parecer CNE/CP nº 3, de 10 de março de 2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/003.pdf>. Acesso em: 11 set. 2017. CANEM, Ana; OLIVEIRA, Angela M. A. de. Multiculturalismo e currículo em ação: um estudo de caso. Revista Brasileira de Educação, n. 21, p. 61-169, set./dez. 2002. CAMPOS, Isabel Soares; RUBERT, Rosane Aparecida. Cadernos do LEPAARQ, v. 11, n. 22, p. 295-307, 2014. CARDOSO, Fernando Henrique. Capitalismo e Escravidão no Brasil Meridional: o negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. 5. ed. revisada e ampliada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. CARRARA, Sérgio. “Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença”. In: BARRETO, A.; ARAÚJO, L.; PEREIRA, M. E. (Orgs.) Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/es em gênero, orientação sexual e relações étnico-raciais - livro de conteúdo. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília: SPM, 2009. p. 17-38. Disponível em: <http://estatico.cnpq.br/portal/premios/2014/ig/pdf/genero_diversidade_escola_2009.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2017. CASTRO, R. M. M. et. al. Aspectos qualitativos da gestão educacional. Recursos de gestão para o educador. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012. CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ed. Ática, 2000. DA MATTA, R. Relativizando: Uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987. DE LUCA, Tania Regina. A Revista do Brasil: um diagnóstico para a (N) ação. São Paulo: Fundação da Editora da UNESP, 1999. DESLAURIERS J. P. Recherche qualitative: guide pratique. Québec (Ca): McGrawHill, Éditeurs, 1991. DIVALTE, Garcia Figueira. História. São Paulo: Editora Ática, 2002. FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. 3. ed. São Paulo: Ática, 1978. FERRETI, S. F. Sincretismo afro-brasileiro e resistência cultural. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 4, n.8, p. 182-198, jun.,1998. FIGUEIRA, Vera Moreira. O preconceito racial na escola. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, n.18, p. 63-72, 1990. FREIRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: Formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. 51 ed. rev. São Paulo: Global, 2006. GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007. GIUMBELLI, Emerson Alessandro. O fim da religião: controvérsias acerca das “seitas” e da “liberdade religiosa” no Brasil e na França. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Museu Nacional, UFRJ, Rio de Janeiro, 2000. GOMES, Nilma Lino. Educação, Identidade Negra e Formação de Professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e pesquisa, n.1, p. 167-182, 2003. GOMES, Nilma Lino. Educação e Relações raciais: Refletindo sobre Algumas Estratégias de Atuação. In: MUNANGA, K. (org.) Superando o Racismo na escola. 2ª edição revisada. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005, p. 143- 155. HAMENOO, Michael. A África na Ordem Mundial. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. (Org.) A Matriz Africana no Mundo. São Paulo: Selo negro, 2008, p. 109-132. LIMA, Mônica. História da África. Cadernos Penesb – Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – FEUFF. Niterói: Ed. Alternativa/EdUFF, n. 12, p. 26-68, 2010. LOPES, Daniele Bastos. Não para os clichês. Revista de História da Biblioteca Nacional, ano. 9, n. 103, p. 70-73, abril. 2014. MAGGIE, Y. Medo do Feitiço: relações entre magia e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992. MARIANO, Ricardo. Pentecostais em Ação: a demonização dos cultos afro-brasileiros. In: SILVA, Vagner Gonçalves da (Org.) Intolerância Religiosa: Impactos do Neopentecostalismo no Campo Religioso Afro-Brasileiro. São Paulo: EDUSP, 2007, p. 119 –148. MARIN, Marilú Favarin. Trabalho escravo, trabalho livre. São Paulo: FTD, 1996. MIRANDA, A. P. M. “Motivo presumido: sentimento”: Identidade religiosa e estigmatização escolar no Rio de Janeiro. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Ed. especial, n.1, p. 139-164, 2015. MOURA, Clóvis. Brasil: raízes do protesto negro. São Paulo: Global, 1983. MOURA, Clóvis. História do Negro Brasileiro. 2 ed São Paulo: Editora Ática, 1992. MONTERO, Paula. Religião, Pluralismo e Espaço Público no Brasil. Revista Novos Estudos, São Paulo, CEBRAP, n.74, p. 47- 65, 2006. MUNANGA, K. Origem e histórico do quilombo na África. Revista USP, São Paulo, n. 28, p. 56-63, dez./fev. 1996. Disponível em: <http://www.usp.br/revistausp/28/04-kabe.pdf>. Acesso em: 6 nov. 2017. MUNANGA, K. Rediscutindo a Mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999. MUNANGA, K. Uma Abordagem Conceitual das Noções de Raça, Racismo, Identidade e Etnia. In: BRANDÃO, André Augusto P. (Org.) Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira. Niterói: EdUFF, 2004, p.15-34. MUNANGA, K. Educação e Diversidade Cultural. Cadernos Penesb – Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – FEUF. Niterói: Ed. Alternativa/EdUFF, n. 10, p. 37- 54, jan./jun. 2008/2010. MUNANGA, K. Teoria Social e Relações Raciais no Brasil Contemporâneo. In: Cadernos Penesb – Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – FEUFF. Niterói: Ed. Alternativa/EdUFF, n. 12, 2010, p. 169- 203. MUNANGA, K. Diversidade, Identidade, Etnicidade e Cidadania. 2012. Ação Educativa, 27. set. 2012. Palestra concedida a Ação Educativa. Disponível em: <http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/09/Palestra-Kabengele-DIVERSIDADEEtnicidade-Identidade-e-Cidadania.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2017. MUNANGA, K. Educação e Diversidade Étnico-cultural: A Importância da História do Negro e da África no Sistema Educativo Brasileiro. In: Müller, Tânia Mara Pedroso; COELHO, Wilma de Nazaré Baía. (Org.s) Relações étnico-raciais e diversidade. Niterói: Editora da UFF, Alternativa, 2013, p. 21-33. NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do Negro Brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1978. NASCIMENTO, Elisa Larkin. Sankofa: significados e intenções. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. (Org.) A Matriz Africana no Mundo. São Paulo: Selo Negro, 2008, p. 29-53. NEGRÃO, Lisias. Entre a cruz e a encruzilhada: formação do campo umbandista em São Paulo. São Paulo: EDUSP, 1996. PASSOS, Joana Célia. A formação de professores para uma pedagogia multirracial e popular: uma proposta do Núcleo de Estudos Negros para a superação do racismo na escola brasileira. In: Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, 8, 2004, Coimbra. p. 3. Disponível em: <http://www.ces.uc.pt/lab2004/pdfs/JoanaCeliadosPAssos.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2017. PATTO, Maria Helena Souza. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T. A. Queiroz, 1993. PEREIRA, Matheus Serva. Quilombos, Revoltas e Fugas. Cadernos Penesb – Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – FEUFF. Niterói: Ed. Alternativa/EdUFF, n. 12, p. 93-102, 2010. PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1981. QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Identidade Cultural, Identidade Nacional no Brasil. Tempo Social - Rev. Sociologia da USP. São Paulo, v.1, n.1, p. 18-31, 1. sem. 1989. REIS, J.J. Quilombos e revoltas escravas no Brasil. Revista USP, São Paulo, n.28, p.14-39, 1996. RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro: A Formação e o Sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. RODRIGUES, R. N. As Raças Humanas e a Responsabilidade Penal no Brasil: com um estudo do professor Afrânio Peixoto. Rio de Janeiro: Guanabara, 1894. ROMERO, Sílvio. Doutrina contra Doutrina: o evolucionismo e o positivismo na República do Brasil. Rio de Janeiro: J.B. Nunes, 1984. ROMERO, Sílvio. Machado de Assis: estudo comparativo de literatura brasileira. Campinas: Ed. da Unicamp, 1992. SANT’ANA, Antônio Olímpio de. História e Conceitos básicos sobre o Racismo e seus Derivados. In: MUNANGA, K. (Org.). Superando o Racismo na escola. 2ª edição revisada, Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005, p. 38-67. SANTOS, E. P. A educação e as religiões de matriz africana: motivos da intolerância. In: SANTOS, E. P. Anais da 28ª Reunião da ANPED. GT Afro-Brasileiros e Educação, p. 01-17. Caxambu: ANPED, 2005. Disponível em: <www.anped.org.br/reunioes/28/textos/gt21/gt21241int.doc>. Acesso em: 7 jul. 2017. SAVIANI, Demerval. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1983. SILVA, A. C. A Desconstrução da Discriminação no Livro Didático. In: MUNANGA, k. (Org.) Superando o Racismo na escola. 2ª edição revisada, Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005, p. 21-37. SILVA, C. B. R. Trajetórias do Movimento Negro e Ação afirmativa no Brasil. Cadernos Penesb – Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – FEUFF. Niterói: Ed. Alternativa/EdUFF, n. 10, p. 118-138, 2010. SILVA, H. J. S. [et. al]. Colonização Europeia nas Américas. Uberaba: Ed. Universidade de Uberaba, 2011. SILVA, J. Guia da Intolerância Religiosa e Racismo. Rio de Janeiro: CEAP, 2009, p.14 SILVA, M. V. Liberdade, Democracia e Intolerância Religiosa. In: SANTOS, I. ; ESTEVES FILHO, A. (Orgs.) Intolerância Religiosa X Democracia. Rio de Janeiro: CEAP, 2009, p.125-143. SILVA, Vagner Gonçalves da. Concepções Religiosas Afro-brasileiras e Neopentecostais: uma análise simbólica. Revista USP, São Paulo, n.67, p. 150-175, set. /nov. 2005. SILVA, Vagner Gonçalves da; AMARAL, Rita. Religiões Afro-brasileiras e Cultura Nacional: uma etnografia em hipermídia. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v.3, n. 6, jul./dez. 2006, p. 107-130. SILVA, Vagner Gonçalves da. Prefácio de uma Guerra Nada Particular: Os Ataques Neopentecostais às Religiões Afro-brasileiras e aos Símbolos da Herança Africana no Brasil. In: SILVA, Vagner Gonçalves da. (Org.) Intolerância Religiosa. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007, p. 9-28. SILVEIRA, Denise Tolfo; CÓRDOVA, Fernanda Peixoto. A Pesquisa Científica. In: GERHARD, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (Orgs.) Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2009, p. 31-42. SODRÉ, Muniz. O Terreiro e a Cidade: a forma social negro-brasileira. Petrópolis: Vozes, 1988, p. 50-51. SOUZA, Cleinton. Sim, somos racistas: análise sociológica do racismo à brasileira. Curitiba: Appris, 2015. SCHNEIDER, Alberto Luiz. O Brasil de Sílvio Romero: uma leitura da população no final do século XIX. Projeto História, São Paulo, n. 42, p.163-183, jun. 2011. SCHWARCZ, L. M., Espetáculo da Miscigenação. Estudos Avançados, ano 8, n.20, p. 137-152, 1994. SCHWARTZ, S.B. Mocambos, quilombos e palmares: a resistência escrava no Brasil Colonial. Estudos Econômicos. São Paulo, v.17, p-61-88, 1987. VAINFAS, Ronaldo. Moralidades brasílicas: deleites sexuais e linguagem erótica na sociedade escravista. In: MELLO E SOUZA, Laura de (Org.) História da vida privada no Brasil: Cotidiano e vida privada na América portuguesa, vol. I. NOVAIS, Fernando. (dir.), São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p. 238-239. VEIGA, Ilma Passos da. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção coletiva. In: (Org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas: Papirus, 1998, p.11-35.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/28
Issue Date: 5-Dec-2017
Appears in Collections:Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências das Religiões

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - Ingrid Câmara Luiz Vieira.pdfDissertação - Ingrid Câmara Luiz Vieira8,35 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.