Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/254
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Gonçalves, José Mário-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3208912348632816pt_BR
dc.contributor.referee1Gonçalves, José Mário-
dc.contributor.referee2Stephanini, Valdir-
dc.contributor.referee3Bussinguer , Elda Coelho de Azevedo-
dc.creatorPinheiro, Amanda Nunes-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/3803935363060234pt_BR
dc.date.accessioned2019-08-28T11:51:54Z-
dc.date.available2019-06-19-
dc.date.available2019-08-28T11:51:54Z-
dc.date.issued2019-06-19-
dc.identifier.urihttp://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/254-
dc.description.abstractThe present work has the objective of presenting an analysis about the performance of the members of the Evangelical Parliamentary Front (FPE) in relation to homoaffective and poliaffective family entities, in order to verify the conformity of the acts of the political / religious group with the basic principles of the Constitution Federal. In order to carry out this analysis, we sought to relate the performance of the evangelical parliamentarians with the ideas of Jürgen Habermas and also with the theory of the religious market described by Peter Berger. In recent decades, Brazilian society has been changing its behavior in relation to the construction of family nuclei, so that different arrangements of the nuclear model have been adopted. Among the new family models, the homoafetivo and the poliafetivo caused greater controversy in the Brazilian society, considering that the great influence of the religious traditions of the Christianity in the country. It is well known that Christian morality adopts as the only model of a legitimized family the nuclear base, and thus, the new models mentioned are considered as sinful and inadequate. In this sense, attention was drawn to the work of the Evangelical Parliamentary Front, which, always involved in moral guidelines within the Brazilian Legislative Branch, began to defend the hegemony of the nuclear-based family as one of its main objectives. The present work sought to present the whole history of evangelicals in Brazil and the Brazilian political scene, in a way and to enable a better understanding of the motives of the action analyzed. It was possible to perceive that, although the work in question is not prohibited by the Federal Constitution, the content of the legislative proposals elaborated by the group on the subject goes against a series of constitutional principles.pt_BR
dc.description.resumoO presente trabalho possui o objetivo de apresentar uma análise acerca da atuação dos membros da Frente Parlamentar Evangélica (FPE) em relação às entidades familiares homoafetivas e poliafetivas, através da realização de pesquisa bibliográfica e documental, a fim de constatar a conformidade dos atos do grupo político/religioso com os princípios básicos da Constituição Federal. Para a realização da referida análise, buscou-se relacionar o desempenho dos parlamentares evangélicos com ideias de Jürgen Habermas e também com a teoria do mercado religioso, descrita por Peter Berger. O trabalho foi dividido em três capítulos, cada um contendo três subseções. Nas últimas décadas, a sociedade brasileira vem mudando o seu comportamento em relação à construção de núcleos familiares, de maneira que arranjos diferentes do modelo nuclear passaram a ser adotados. Dentre os novos modelos de família, o homoafetivo e o poliafetivo causaram maior polêmica na sociedade brasileira, tendo em vista que há grande influência das tradições religiosas do Cristianismo no país. É sabido que a moral cristã adota como único modelo de família legitimado o de base nuclear e, deste modo, os novos modelos mencionados são tidos como pecaminosos e inadequados. Neste sentido, chamou atenção a atuação da FPE que, sempre envolvida em pautas morais no âmbito do Poder Legislativo do Brasil, passou a adotar a defesa da hegemonia da família de base nuclear como um de seus principais objetivos. O presente trabalho buscou apresentar a história dos evangélicos no Brasil e no cenário político brasileiro, de maneira a possibilitar uma melhor compreensão dos motivos da atuação analisada. Foi possível perceber que, apesar de a atuação em comento não ser proibida pela Constituição Federal, o conteúdo das propostas legislativas, elaboradas pelo grupo sobre o assunto, vai de encontro a uma série de princípios constitucionais.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Mestrado Estagiário (estagiario.mestrado@fuv.edu.br) on 2019-08-28T11:51:54Z No. of bitstreams: 1 TCC - Amanda Nunes Pinheiro.pdf: 2930863 bytes, checksum: 9c79a18d83d1e92f3523a2d8484312f9 (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2019-08-28T11:51:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 TCC - Amanda Nunes Pinheiro.pdf: 2930863 bytes, checksum: 9c79a18d83d1e92f3523a2d8484312f9 (MD5) Previous issue date: 2019-06-19en
dc.languageporpt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentCiências da Religiõespt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências das Religiõespt_BR
dc.relation.referencesALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. 5ª ed. São Paulo: Malheiros, 2008 ALVES, Eliseu; SOUZA, Geraldo as Silva e; MARRA, Renner. Êxodo e sua contribuição à urbanização de 1950 a 2010¹². Revista de Política Agrícola, Brasília, ano 20, n. 2, 2011. Disponível em: <https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/910778/1/Exodoe suacontribuicao.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2018. ALVES, José Eustáquio Diniz; CAVENAGHI, Suzana. Transições urbanas e da fecundidade e mudanças dos arranjos familiares no Brasil. Cadernos de EstudosSociais, Recife, v.27, n. 2, p. 91-114, 2012. ANDERSON, Cheryl B. Biblical interpretation as violence: Genesis 19 and Judges 19 in the context of HIV and Aids. In: SCHOLZ, Susanne; ANDIÑACH, Pablo R. (Edit.). La violência and th/e Hebrew Bible: the politics and histories of biblical hermeneutics on the American continent. Atlanta: SBL Press, 2016. ANGELUCI, Cleber Affonso; JUSTINA, Daiani Dela; NASCIMENTO, Rogério Dorneles do. A relação homoafetiva e os princípios constitucionais: uma leitura a partir do julgamento da ADI n. 4277. Revista CEJ, Brasília, ano 18, n. 62, p. 71-78, 2014. AQUINO, Maurício de. Modernidade republicana e diocesanização do catolicismo no Brasil: as relações entre Estado e Igreja na Primeira República (1889-1930). Revista Brasileira de História de São Paulo, São Paulo, v. 32, n. 63, p. 143-170, 2012. AZEVEDO, Reinaldo. O IBGE e a religião — Cristãos são 86,8% do Brasil; católicos caem para 64,6%; evangélicos já são 22,2%. Revista Veja, 2012. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/o-ibge-e-a-religiao-cristaos-sao-86-8-do-brasil-catoli cos-caem-para-64-6-evangelicos-ja-sao-22-2/>. Acesso em: 28 Mar. 2019. AZEVEDO, Thales de. O Catolicismo no Brasil: um campo para pesquisa social. Salvador: Edufba, 2002. BAHIA, Flávia. Descomplicando Direito Constitucional.3 ed. Recife: Armador, 2017. BAPTISTA, Saulo. Pentecostais e neopentecostais na política brasileira: um estudo sobre cultura, política, Estado e atores coletivos religiosos no Brasil. São Paulo: AnnaBlume, 2009. BERGER, Peter Ludwig. O dossel sagrado. Elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Paulus, 2003. BERGER, Peter Ludwig. Os múltiplos altares da modernidade rumo ao paradigma da religião numa época pluralista. Petrópolis: Vozes 2017. BONINI, Lara Grigoletto; SERAFIM, Thaís. Religião e espaço público: entrevista com JoanildoBurity. Revista Debates do NER, Porto Alegre, ano 16, n. 28, p. 127-147, 2015. BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007. BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Diário da Câmara dos Deputados. Brasília, 2011, ano LXVI, n. 76, 07 de maio de 2011, p. 22335. Disponível em: <http:// imagem.camara.gov.br/Imagem/d/pdf/DCD06MAI2011.pdf#page=>. Acesso em: 15 abr. 2019. BRASIL, Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. 1891. BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. BRASIL, Constituição do Império do Brazil. 1824. BRASIL, Constituição Política do Império do Brasil, 1824. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao24.htm>. Acesso em: 13 ago. 2018. BRASIL, Decreto Nº 3.029, de 9 de janeiro de 1881, 1881. Disponível em: <http://www2. camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-3029-9-janeiro-1881-546079publicacaoori ginal-59786-pl.html>. Acesso em: 13 ago. 2018. BURITY, Joanildo; MACHADO, Maria das Dores Campos. A ascensão dos pentecostais no Brasil na avaliação de líderes religiosos. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 57, n. 3, p. 601-631, 2014. CALAZANS, 1997 apud TINDARO, 1994. CAMPOS, João. PDC nº 224/2011. Brasília, 2011. Disponível em: <https://www.camara. leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=877591&filename=PDC+224/2011>. Acesso em: 12 abr. 2019. CAMPOS, João. PDC nº 325/2011. Brasília. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/ proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=897099&filename=PDC+325/2011>. Acesso em: 12 abr. 2019. CAMPOS, João. Estatuto da Frente Parlamentar Evangélica. Brasília, 2015. Disponível em: <http://www.camara.leg.br/internet/deputado/frentes.asp>. Acesso em: 18 out. 2018. CAMPOS, João. REQ 3424/2015. Brasília, 2015. Disponível em: <encurtador.com.br/ szW79>. Acesso em: 09 out. 2018. CAMURÇA, Marcelo Ayres. Os “Sem Religião” no Brasil: Juventude, Periferia, Indiferentismo Religioso e Trânsito entre Religiões Institucionalizadas. Estudos de Religião, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 55-70, 2017. CARTÓRIOS não podem registrar união poliafetiva, decide CNJ. Revista Consultor Jurídico. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2018-jun-26/cartorios-nao-podem-registrar-uniao-poliafetiva-decide-cnj>. Acesso em: 16 out. 2018. CARVALHO, Vinícius. Projeto de Lei nº 4302/2016. Brasília, 2016. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1431635&filename=PL+4302/2016>. Acesso em: 15 abr. 2019. CENSO 2010. Uma família plural, complexa e diversa. Entrevista com José Eustáquio Diniz Alves e Suzana Cavenaghi. Laboratório de demografia e estudos populacionais. Disponível em: <http://www.ufjf.br/ladem/2012/10/31/censo-2010-uma-familia-plural-complexa-e-diver sa-entrevista-com-jose-eustaquio-diniz-alves-e-suzana-cavenaghi/>. Acesso em: 05 abr. 2019. CONSELHO Nacional de Justiça, entendimento Supremo Tribunal Federal, RESOLUÇÃO Nº 175, de 14 de maio de 2013. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=2504>. Acesso em: 30 mar. 2019. CONSELHO Nacional de Justiça. Pedido de Providências. Processo n. 0001459-08.2016.2.00.0000. Brasília. Rel. João Otávio Noronha, julgado em 29 jun. 2018. Disponível em: <encurtador.com.br/dpNST>. Acesso em: 01 abr. 2019. DIAS, Maria Berenice, Manual de Direito das Famílias. 4ªed.em e-book baseada na 11ªed. impressa. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016. DIAS, Tainah Biela. A defesa da família tradicional e a perpetuação dos papéis de gênero naturalizados. Revista Mandrágora, v. 23, n. 1, p. 49-70, 2017. DIAS, Tainah Biela et al. Sobre religião, estado laico e cidadania LGBT+: a Frente Parlamentar Evangélica e a defesa da verdade sobre a família. 2017. 151 f. Tese (mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2017. DUARTE, Tatiane dos Santos et al. “A casa dos ímpios se desfará, mas a tenda dos retos florescerá”: a participação da Frente Parlamentar Evangélica no legislativo brasileiro. 2011. 229 f. Tese (mestrado) – Curso de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade de Brasília, Brasília, 2011. ERLICHMAN, Márcia. Configurações familiares com a união poliafetiva. Disponível em: <https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/configuracoes-familiares-com-a-uniao-poliafetiva/>. Acesso em: 30 mar. 2019. ESQUIAVEL, Juan Cruz. Da sociedade política à sociedade civil: a presença pública da igreja católica brasileira num período de instabilidade política (1952-2004). Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 197-221, 2004. FELICIANO, Marco. PDC nº 495/2011. Brasília, 2011. Disponível em: <https://www. camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=933827&filename=PDC+495/2011>. Acesso em: 12 abr. 2019 FELICIANO, Marco. PDC nº 521/2011. Brasília, 2011. Disponível em: <https://www. camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=945067&filename=PDC+521/2011>. Acesso em: 12 abr. 2019 FERREIRA, Anderson. Projeto de Lei nº 6.583/2013. Brasília, 2013. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1159761>. FILHO, José Bittencourt. Matriz religiosas brasileira: Religiosidade e mudança social. Petrópolis: Vozes. 2003. FLEURY, Alessandra Ramos Demito; TORRES, Ana Raquel Rosas. Análise psicossocial do preconceito contra homossexuais. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, p. 475-486, 2007. FLUCK, Mailon R. Evangelização no Brasil Colônia (Séculos XVI e XVII): estudo comparativo de três modelos missionários. Estudos Teológicos, v. 31, n. 2, p. 151-170, 1991. FONSECA, Ronaldo. Comissão especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei nº 6.583 de 2013. Brasília, 2014. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoes Web/prop_mostrarintegra?codteor=1287153&filename=PRL+1+PL658313+%3D%3E+PL+6583/2013>. Acesso em: 15 abr. 2019. FRESTON, Paul. Evangélicos na Política Brasileira: história ambígua e desafio ético. Curitiba: Encontrão, 1994. FRESTON, Paul. Religião e Política sim Igreja e Estado, não. Os evangélicos e a participação política. Viçosa: Ultimato, 2006, p. 103. GABATZ, Celso. Religiosidade Brasileira Contemporânea: Pluralismo secularização e múltiplas pertenças. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DAS FACULDADES EST, 2. 2014, São Leopoldo. Anais do Congresso Internacional das Faculdades Est, São Leopoldo, EST, v. 2, 2014 GAGLIANO, Pablo Stolze; FILHO, Rodolfo Pamplona. Manual de Direito Civil, volume único. São Paulo: Saraiva, 2017. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LCT, 2008. GOMES, Paulo Cesar. Os bispos católicos e a ditadura militar brasileira: a visão da espionagem. São Paulo: Record, 2014. GONÇALVES, Rafael Bruno, Religião e representação política:a presença evangélica na disputa eleitoral brasileira. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, n. 116, p. 13-20, 2011. HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002. KIM, Irene. O poder midiático da Frente Parlamentar Evangélica. Campinas, 2017, p. 1-14, p. 5. Disponível em: <https://portal.metodista.br/eclesiocom/2017/arquivos/o-poder-midiati co-da-frente-parlamentar-evangelica>. Acesso em: 10 out. 2018 KONINGS, Johan; MORI, Geraldo Luiz de. A Evolução da Igreja Católica no Brasil a Luz das Pesquisas Recentes. Horizonte: Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, Belo Horizonte, v. 10, n. 28 p. 1208-1229, 2012. LOBO, Paulo Luiz Netto. Constitucionalização do Direito Civil. Revista de Informação Legislativa, Brasília, ano 36, n. 141, 1999. MALISKA, Marcos Augusto; WOLOCHN, Regina Fátima. Reflexões sobre o princípio da tolerância. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Curitiba, n. 58, p. 37-52, 2013. MARINHO, Júlia. Projeto de Lei nº 620/2015. Brasília, 2015. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1306827&filename=PL+620/2015>. Acesso em: 13 abr. 2019 MATOS, Alderi Souza de. Breve História do Protestantismo no Brasil. Vox Faifae: Revista de Teologia da Faculdade FASSEB, Florianópolis, v. 3, n. 1, p. 1-26, 2011. MENDONÇA, Antônio Gouvêa. República e pluralidade religiosa no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 59, p. 144-163, 2003. MOURA, Priscila Carla Santana e et al. A atuação da religião na política brasileira contemporânea: uma análise crítica dos projetos legislativos da bancada evangélica no Congresso. 2017. 45 f. Tese (graduação) – Curso de Direito, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017. MONTERO, Paula. Religião, Pluralismo e esfera pública no Brasil. Novos Estudos, São Paulo, p. 47-65, 2006. NATIVIDADE. Marcelo Tavares. Cantar e Dançar para Jesus: sexualidade, gênero e religião nas igrejas inclusivas pentecostais. Religião e Sociedade, Fortaleza, p. 14-33, 2017. NATIVIDADE, Marcelo Tavares. Homofobia religiosa e direitos LGBT: notas de pesquisa. Latitude, v. 7, n. 1, p. 33-51, 2013. NEGRÃO, Lísia Nogueira. Pluralismo e Multiplicidades Religiosas no Brasil Contemporâneo. Sociedade e Estado, Brasília, v. 23, n. 2, p. 261-279, 2008. OLIVEIRA, Amurabi; BOIN, Felipe. A pluralidade de experiências do sagrado nas sociedades contemporâneas. Religae: Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões da UFPB, João Pessoa, v. 14, n. 2, p. 343-362, 2017. OLIVEIRA, Ricardo Mendes de. A moralidade bíblica. Protestantismo em revista, São Leopoldo, v. 43, n. 1, p. 195-202, 2017. PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional Descomplicado. 14ª ed. São Paulo: Método, 2015. PASSOS, Anderson. Família de ontem e de hoje: estudo sobre os aspectos constitucionais e civis do Poliamor. Revista Letras Jurídicas, Maceió, ano 52, n. 1, p. 50-62, 2014. PASSOS, Mauro; ZORZIN, Paola La Guardi; ROCHA, Daniel. O que (não) dizem os números – para além das estatísticas sobre o “Novo Mapa das Religiões Brasileiro”. Horizonte: Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, Belo Horizonte, v.9, n. 23, p. 690-714, 2011. PIERUCCI, Antônio Flávio; MARIANO, Ricardo. O envolvimento dos pentecostais na eleição de Collor. Revista Novos Estudos, São Paulo, n. 34, p. 92-106, 1992. PINHEIRO, Amanda Nunes. A atuação dos membros da Frente Parlamentar Evangélica no Congresso Nacional: representação legítima do leitorado ou afronta à laicidade do Estado?. UNITAS: Revista Eletrônica de Teologia e Ciências das Religiões, Vitória, v. 5, n. 3, p. 69-84, 2018. PORTUGAL, Tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre Sua Alteza Real o Príncipe Regente de Portugal e Sua Majestade Britânica, 1810. Disponível em: <https://digital.bbm.usp.br/view/?45000010280&bbm/7405#page/10/mode/2up>. Acesso em: 19 jun. 2018. QUADROS, Marcos Paulo dos Reis. O Conservadorismo Católico na Política Brasileira: Considerações Sobre as Atividades da TFP Ontem e Hoje. Estudos Sociológicos, Araraquara, v. 18, n. 34, p. 193-208, 2013. QUINTERO, Manoel. Fundador da Maioria Moral morre aos 73 anos. Disponível em: <http://www.metodista.org.br/morreu-fundador-da-maioria-moral>. Acesso em: 08 fev. 2019. RANGEL, Sergio. Culto vira palanque de Marcelo Crivella. Folha de São Paulo, 02 de outubro de 2006, Especial, Eleições 2006. REGINALDO. Trechos da carta de Pero Vaz de Caminha. Disponível em: <http://historiadornet.blogspot.com.br/2012/04/trechos-da-carta-de-pero-vaz-de-caminha.html >. Acesso em: 13 mai. 2018. RICK, Alan. Comissão De Seguridade Social E Família: projeto de lei nº 4.302, de 2016. Brasília, 2018. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrar integra?codteor=1699371&filename=PRL+3+CSSF+%3D%3E+PL+4302/2016>. Acesso em: 15 abr. 2019. RIBEIRO, Claudio de Oliveira. Um olhar sobre o atual cenário religioso brasileiro: possibilidades e limites para o pluralismo. Estudos de Religião, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 53-71, 2013. SANCHES, Danielle; CONTARATO, Andressa; AZEVEDO, Ana Luísa. Dados públicos sobre violência homofóbica no Brasil: 28 anos de combate ao preconceito. Disponível em: <http://dapp.fgv.br/dados-publicos-sobre-violencia-homofobica-no-brasil-28-anos-de-comba te-ao-preconceito/>. Acesso em: 30 mar. 2019. SANTOS, Lyndon de Araújo. O protestantismo no advento da República no Brasil: discursos, estratégias e conflitos. Revista Brasileira de História das Religiões, Paraná, ano 3, n. 8, p. 103-120, 2010. SCHMIDT, Daniel Augusto. Os anos rebeldes do protestantismo brasileiro. Revista Reflexus, Vitória, v. 5, n. 6, p. 71-88, 2011. SILVA, Ana Cristina Monteiro de Andrade. Princípio constitucional da solidariedade. Revista CEJ, Brasília, ano 20, n. 68, p. 37-46, 2016. SILVA, Eliane Moura da; BELLOTTI, Karina Kosicki; CAMPOS, Leonildo Silveira. Religião e Sociedade na América Latina. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2010. SILVA, Ivan Dias da et al Jerry Falwell e a maioria moral: um estudo sobre a relação entre religião e política no espaço público americano entre 1979 e 1989. 2016. 248 f. Tese (doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016. SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 25 ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2005. SILVA, Vagner Gonçalves da. Formação e dinâmica das religiões afro-brasileiras In:. SILVA, Eliana & BELLOTTI, Karina & CAMPOS, Leonildo (orgs) Religião e sociedade na América Latina. São Bernardo do Campo, UMESP, p. 93-100. SOUZA, Sandra Duarte de; DIAS, Tainah Biela. A família em disputa: o Supremo Tribunal Federal, a Frente Parlamentar Evangélica e o reconhecimento de uniões homoafetivas. Revista Estudos de Religião, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 147-164, 2018. SOUZA, André Ricardo de. O desempenho político eleitoral dos evangélicos de 1986 a 2008.II Encontro Nacional do GT História das Religiões e Religiosidades. Revista Brasileira de História das Religiões, vol. 1, n° 3, p. 1-23, 2009. SOUZA, Sandra Duarte de. Política religiosa e religião política: os evangélicos e o uso político do sexo. Estudos de Religião, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 177-201, 2013. STEIL, Carlos Alberto; TONIOL, Rodrigo Ferreira. O catolicismo e a Igreja Católica no Brasil à luz dos dados sobre religião no censo de 2010. Revista Debates do NER, Porto Alegre, ano 14, n. 24, p. 223-243, 2013. SUPREMO Tribunal Federal. ADPF n. 132, ADI n. 4.277 Brasília. Rel. Des. Ricardo Lewandowiski, julgado em 05 mai. 2011. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginador pub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=628635>. Acesso em: 30 mar. 2019. SUPREMO Tribunal Federal. Recurso Extraordinário n. 846.102 Brasília. Rel. Des. Cármen Lúcia, julgado em 05 mar. 2015. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/dl/stf-reconhece-adocao-restricao-idade.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2019 TADVALD, Marcelo. A reinvenção do conservadorismo: os evangélicos e as eleições federais de 2014. Revista Debates do NER, Porto Alegre, ano 16, n. 27, p. 259-288, 2015. TAVARES, André Ramos. Curso de Direito Constitucional. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2012. TAYLOR, Charles. Multiculturalismo: examinando a política de reconhecimento. Lisboa: Piaget, 1998. TREVISAN, Janine. A Frente Parlamentar Evangélica: Força política no estado laico brasileiro. Numen: Revista de estudos e pesquisa da religião, Juiz de Fora,v. 16, n. 1, p. 29-57, 2013. VITAL, Christina; LOPES, Paulo Victor Leite. Religião e política: uma análise da atuação de parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e de LGBTs no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böl, 2012. WELZEL, Hans. Derecho Penal Alemán. 12ª ed. Santiago: Jurídica de Chile, 1987. WIRTH, Nome de Matos. As novas configurações da família contemporânea e o discurso religioso. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 10. 2013, Florianópolis. Anais Eletrônicos, Florianópolis, 2013.   ZACHAROW, André. PDC nº 232/2011, Brasília, 2011. Disponível em: <encurtador.com.br/ fDHMS>. Acesso em: 12 abr. 2019.pt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPolítica.pt_BR
dc.subjectReligião.pt_BR
dc.subjectFamília Homoafetiva.pt_BR
dc.subjectFamília Poliafetiva.pt_BR
dc.subjectFPE.pt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIApt_BR
dc.titleA FRENTE PARLAMENTAR EVANGÉLICA E OS NOVOS MODELOS DE FAMÍLIA: UMA ANÁLISE SOBRE A CONFORMIDADE DA ATUAÇÃO DO GRUPO POLÍTICO/RELIGIOSO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERALpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
Appears in Collections:Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências das Religiões

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC - Amanda Nunes Pinheiro.pdfTCC - Amanda Nunes Pinheiro2,86 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.