Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/199
metadata.dc.type: Dissertação
Title: A CONTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM E DO DISCURSO RELIGIOSO JUNTO A FAMILIA NO PROCESSO DE MORTE DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS
metadata.dc.creator: MELLO, SARA NUSS
metadata.dc.contributor.advisor1: Filho, José Adriano
metadata.dc.contributor.referee1: Zabatieiro, Julio Paulo Tavares
metadata.dc.contributor.referee2: Cruz, César Albenes de Mendonça
metadata.dc.contributor.referee3: Filho, Jose Adriano
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho discursa sobre a temática “A contribuição da equipe de enfermagem e do discurso religioso junto à família no processo de morte de crianças hospitalizadas”.Teve como objetivo mostrar como os profissionais de enfermagem e o discurso religioso podem contribuir para a aceitação das famílias que perdem crianças com morte súbita ou morte decorrente de doença crônica terminal,abordou sobre o impacto da morte na família; escreveu sobre a atuação da equipe de enfermagem diante da morte de uma criança junto à família; demonstrou como o ensino religioso junto à família que perde um ente querido pode proporcionar conforto às famílias e verificou junto aos pais que perderam crianças por doenças crônicas terminais e se tiveram suporte psicológico e religiosos dentro de uma unidade hospitalar em Itaperuna/RJ e a reação dos profissionais de saúde diante da morte das crianças.Os resultados mostraram que à morte leva a dor dos familiares em primeiro lugar, só em seguida é que se projeta sobre os outros o que a experiência ensina. Observa-se que a morte é uma realidade que faz parte do dia a dia, por isso, se faz necessário que os profissionais de enfermagem devem estar preparados para dar apoio aos familiares levando-os a refletir sobre a natureza humana, considerando que a vida segue um ciclo que é o nascimento, o desenvolvimento, o adoecimento e a morte. Assim sendo, é importante que esteja preparado psicologicamente e através da religião para lidar com a vida até a hora da morte, independente de que ela aconteça no início, no meio ou no final do processo do viver.
Abstract: This paper talks about the theme "The contribution of the nursing staff and the religious discourse with the family in case of death of children." Aimed to show how nursing professionals and religious discourse can contribute to the acceptance of families who lose children with sudden death or death due to chronic terminal, addressed the impact of the death in the family, wrote about the work of the nursing staff before the death of a child with the family; demonstrated how religious education by the family who loses a loved one can provide comfort to families and verified with parents who have lost children due to chronic diseases terminals and had psychological and religious support within a hospital in Itaperuna / RJ and the response of health professionals on the death of children. The results showed that death takes the pain of family first, only then is that project to others what experience teaches. It is observed that death is a reality that is part of everyday life, so it is necessary that nursing professionals should be prepared to provide support to family members causing them to reflect on human nature, considering that life follows a cycle which is the birth, development, illness and death. Therefore, it is important to be prepared psychologically and through religion to deal with life until the time of death, regardless of whether it happens at the beginning, middle or end of the process of living.
Keywords: Equipe de Enfermagem. Discurso Religioso. Família. Morte. Crianças
Nursing Team. Religious Discourse. Family. Death. Children.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Religiões
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões
Citation: AL-SABWAH, M.; ABDEL-KHALEK, A.Religiosity and death distress.In: Arabic college students. Death Studies,2006, 30(4), 365-375 BARCELOS, C. R.A espiritualidade e a família. In. O melhor da espiritualidade brasileira. BOMILCAR, Nelson. (org) São Paulo: Mundo Cristão, 2005. BASSO, L. A.; WAINER, R. Luto e perdas repentinas: contribuições da Terapia Cognitivo-Comportamental Rev. Bras. ter. cogn. vol.7 no.1 Rio de Janeiro jun. 2011 BARBOSA, K. A.; FREITAS, M. H. Religiosidade e atitude diante da morte em idosos sob cuidados paliativos.Revista Kairós, São Paulo, 12(1), jan. 2009, pp. 113-134 BETTINELLI, L. A. A solidariedade no cuidado: dimensão e sentido da vida. (Série Teses de Enfermagem). Florianópolis: Programa de Pós Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, 2002. BETTINELLI, L.A; ERDMANN, A. L. Cuidado solidário: um compromisso social da enfermagem em unidades de terapia intensiva. CogitareEnferm., Curitiba, v.3, n.2, p.23-43, 1988. BOUSSO, R. S.; POLES, K.; SERAFIM, T.S.; MIRANDA, M. G.. Crenças religiosas, doença e morte: perspectiva da família na experiência de doença. Rev. esc. enferm. USP vol.45 no.2 São Paulo Apr. 2011. BOWLBY, J. Perda: tristeza e depressão. In Apego e perda (Vol.3). São Paulo: Martins Fontes. 1993. BRASIL, Ministério da educação e Cultura – MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso. Disponível em: www.mec.gov.br. Acesso em 20 de setembro de 2013. BROMBERG, M. H. F. P. A psicoterapia em situações de perda e luto. Campinas: Editorial PsiII.1994. BROWN, F. H. O impacto da morte e da doença grave sobre o ciclo de vida familiar. In: Carter, B.; McGoldrick, M.As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 393-414. CHAMBERLAIN, K.; ZIKA, S.Measuring meaning in life: an examination of three scales. Personalityand Individual Differences. 1988, Vol. 9, p. 589-596. 1992. CARTER, B.; Mc GOLDRICK, M. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. In: CARTER, E.;McGOLDRICK, M. e cols.As mudanças no ciclo da vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001. p. 07-29. COLLET, N; OLIVEIRA, BRG. Enfermagem pediátrica. Goiânia: AB Editora, 2002. 53 DIAS, M. O. Um olhar sobre a família na perspectiva sistêmica. O processo de comunicação no sistema familiar. Gestão e Desenvolvimento, 19 (2011), 139-156. Disponível em: http://z3950.crb.ucp.pt/Biblioteca/GestaoDesenv/GD19/gestaodesenvolvimento19_139.pdf. Acesso em 20 de setembro de 2013. DOMINGUES, J. Uma janela para a alma: olhando a morte e a criança. Rev Paul Enferm, v. 15, n. 1/3, p. 66-74, 1996. DOLL, J. Satisfação de vida de homens e mulheres idosos no Brasil e na Alemanha.Cadernos Pagu, v. 13, p. 109-160, 1999. FERNANDES, C. L. C; CURRA, L. C. D. Ferramentas de Abordagem Familiar. PROMEF. Organização SBMFC, p 13-29. Porto Alegre: Artmed/Panamericana Editora, 2006. FERREIRA, V. Espiritualidade na família. Uma visão teológica do assunto. Disponível em:http://prvalmirferreira.com.br/2010/10/espiritualidade-da-familia-uma-visao.html. Acesso em 20 de setembro de 2013. FISCHER, T. M. D. Poderes locais, desenvolvimento e gestão: uma introdução a uma agenda. In FISCHER, T. M D. (Org.). Gestão do desenvolvimento e poderes locais: marcos teóricos e avaliação. Salvador: Casa da Qualidade, p.12-32, 2002. FRANCO, C.Vida e morte: lidando com o luto. Disponível em: http://www.personare.com.br/vida-e-morte-lidando-com-o-luto-m780. Acesso em 20 de janeiro de 2013. GALANTE, P.Código de ética, ética profissional e bioética aplicada a enfermeiros assistenciais.Faculdade de Tecnologia e CiênciasFeira de Santana-BA. 2010. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAyXIAJ/codigo-etica-dos-profissionais-enfermagem. Acesso em 20 de setembro de 2013. GATTI, M. F.Z.; LEÃO, E. R.O papel diferenciado do enfermeiro em serviço de emergência: a identificação de prioridades de atendimento. Revista Nursing, v. 73, n.7, p. 24-29, 2004. GUANDALINI JR., W.Doença, Poder e Direito: o controle de patentes de medicamentos. Curitiba: Juruá. 2010. HESBEEN, W. Cuidar no Hospital. Enquadrar os cuidados de enfermagem. 2001 HOHENDORFF, J. V.; MELO, W. V. Compreensão da morte e desenvolvimento Humano: contribuições à Psicologia Hospitalar. Disponível em: http://www.revispsi.uerj.br/v9n2/artigos/html/v9n2a14.html. Acesso em 20 de janeiro de 2013. INÁCIO, A. F. L.; CAPOVILLA, C.; PRESTELLO, G. D.; VIEIRA, L. M. S.; BICUDO, M. A.; SOUZA, V. F.; GARCIA, E. A. L. O profissional de enfermagem frente à morte do recém-nascido em UTI neonatal. Rev. Inst. Ciênc. Saúde. 2008; 26(3):289-93. KOENIG, H. Religion and medicine II: Religion, mental health and related behaviors. The International Journal of Psychiatry in Medicine. 2001. 31(1),97-109. 54 KOVÁCS, M. J. Bioética nas questões da vida e da morte. Psicologia USP, 2008, 2(14), 115-167. KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer (Paulo Menezes, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. 2005. KUBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o processo de morrer. São Paulo: Martins Fontes. 2005. KUSTER, D. K.; BISOGNO, S. C. A percepção do enfermeiro diante da morte dos pacientes. Disc. Scientia, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 9-24, 2010 MALVESTIO, M. A. A. Suporte avançado à vida: análise da eficácia do atendimento a vítimas de acidentes de trânsito em vias expressas. 2000. 114p. Tese (Mestrado em Enfermagem). Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000. LACAZ, C. P. C., TYRRELL, M. A. R.A enfermagem e o cuidar de crianças com câncer: uma jornada pelo simbólico a partir da realidade vivenciada pelo universo familiar. ActaPaulista de Enfermagem, São Paulo, v.16, n.2, p.33-40, 2003 LAURENCELLE, R.; ABELL, S.; SCHWARTZ, D.The relation between intrinsicreligious faith and psychological well-being. International Journal for the PsychologyofReligion, 2002,12(2), 109-123. MADJAROF, R. A Importância do Ensino Religioso na Família. Disponível em: http://www.mundodosfilosofos.com.br/vanderlei4.htm. Acesso em 25 de julho de 2013. MAGALAHÃES, L. A.V; SILVA, L. R. C.OS conceitos de morte e morrer na enfermagem e as relações com o ethosdo cuidado. Enfermaria Global Nº 17 Out. 2009. MARANHÃO, J. L. S. O que é morte. São Paulo: Brasiliense, 1998. MEDEIROS, L. A.; LUSTOSA, M. A. A difícil tarefa de falar sobre morte no hospital. Rev. SBPH vol.14 nº 2 Rio de Janeiro dez. 2011 MELO, R. M. O processo do luto no desenvolvimento humano. Revista Brasileira de Enfermagem, São Paulo. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br>. Acesso em 25 de janeiro de 2013. MORITZ, R. D. O efeito da informação sobre o comportamento dos profissionais da saúde diante da morte. (tese). Florianópolis: Programa de pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina. 2002. NUNES, E. C. D. A. Refletindo o transpessoal humano: uma compreensão multidisciplinar em transversalidade com o estado da arte de ser. Referência. III Série, 2010, n° 2, p. 173-180. OLIVEIRA E.A, VOLTARELLI JC, SANTOS M.A, MASTROPIETRO A.P. Intervenção junto à família do paciente com alto risco de morte. Medicina (Ribeirão Preto), SP, 2005.38 (1): 63-68. 55 ORDEM DOS ENFERMEIROS. Síndrome de Burnout. Disponível em: http://www.ordemenfermeiros.pt/sites/crce/RIE/Documents/sandra_martins_pereira_doutoramento_bioetica2011.pdf. Acesso em20 de setembro de 2013 PAVELQUEIRES, S. Educação continuada de enfermeiros no atendimento inicial á vítima de traumatismos. 149f. Tese (Mestrado em Enfermagem Fundamental). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1997. PARKES, C. M. Luto: estudos sobre a perda na vida adulta (Maria Helena Franco Bromberg, Trad.). São Paulo: Summus. 1998. PAULA, É. S.; NASCIMENTO, L. C.; ROCHA, S. M. M. Religião e espiritualidade: experiência de famílias de crianças com Insuficiência Renal Crônica. RevBrasEnferm, Brasília 2009 jan-fev; 62(1): 100-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v62n1/15.pdf. Acesso em 20 de julho de 2013. POLES, K.; BOUSSO, R. S.Compartilhando o processo de morte com a família: a experiência da enfermeira na UTI pediátrica. Rev Latino-am Enfermagem 2006 março-abril; 14(2):207-13 RANQUETAT JR, C.Religião em sala de aula: o ensino religioso nas escolas públicas brasileiras. Revista Eletrônica de Ciências Sociais. Ano I, Edição 01, Fevereiro de 2007. RASHOTTE, J.; BOURBONNAIS, F. F.; CHAMBERLAIN, M. Pediatric intensive care nurses and their experiences: a phenomenological study. Heart Lung, v. 26, n. 5, p. 372-86, 1997. 11-18 REES P. H. Dexamethasone deleterious in cerebral malaria.Correspondence. British M edicai Journal 2 8 5 :1 3 5 7, 1982; 286: 978, 1983. SAGARA, M.; PICKETT, M. Sociocultural influences and care of dying children in Japan and the United States.CancerNurs, v. 21, n. 4, p. 274-81, 1998. SAMARA, E. M.Família, mulheres e povoamento. São Paulo, século XVII. Bauru, SP: EDUSC, 2003. SARAIVA, D. M. R. F. Quedas: indicador da qualidade assistencial. Nursing. Lisboa. 2008. Ano 18, nº 235, p. 28-35. SAUNDERS, J. M.; VALENTE, S. M. Nurses’ grief. CancerNurs, v. 17, n. 4, p.318-25, 1994. SERRÃO, C. F. B.; BORGES, L. F. X. Aspectos de Governança Corporativa Moderna no Brasil.Revista do BNDES, Rio de Janeiro, V. 12, n. 24, p. 111-148, dez. 2005 SIMONI, M.; SANTOS, M. L. Cuidados paliativos. Psicologia.UPS. Universidade Federal do Rio de Janeiro. São Paulo. 2003. 56 SOUZA, A.C; COLOMÉ, I. C. S.; COSTA, L. E.D; OLIVEIRA, D. L. L. C.A educação em saúde com grupos na comunidade: uma estratégia facilitadora da promoção da saúde. Rev. Gaúcha de Enf. Porto Alegre (RS) 2005 ago; 26(2): 147-53. TEIXEIRA, V.; LAFÈVRE, F.O capelão e o paciente idoso com câncer: a busca do conforto e da espiritualidade na religião. Mundo e saúde, 2003, v. 27, n. 1. TERUYA, M. T. A família na historiografia brasileira, bases e perspectivas de análise. In; XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Anais de resumos e CD-ROM. Belo Horizonte, ABEP, 2000. Disponível em internet: http://www.abep.nepo.unicamp.br/docs/anais/pdf/2000/Todos/A%20Fam%C3%ADlia%20na%20Historiografia%20Brasileira....pdf. Acesso em 3 de outubro de 2013. VALLE, E. R. M. O discurso de pais de crianças com câncer. In_ Da Morte Estudos Brasileiros. In: Cassolorla, R. M. S. (cord.) 2a ed. São Paulo: Papirus Editora, 1998. ZOROZO, J. C. C. O processo de morte e morrer da criança e do adolescente: vivências dos profissionais de enfermagem. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-07072004-114012/pt-br. Acesso em 20 de setembro de 2013.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/199
Issue Date: 20-Jun-2011
Appears in Collections:Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências das Religiões

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - Sara Nuss Mello.pdfDissertação - Sara Nuss Mello564,83 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.