Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/13
metadata.dc.type: Dissertação
Title: O LUGAR DA CRIANÇA NA INSTITUIÇÃO RELIGIOSA: UMA ANÁLISE DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA IGREJA BATISTA DE LARANJEIRAS NA CIDADE DE SERRA - ES
metadata.dc.creator: ROSA, KATIA ANTÔNIA FERREIRA
metadata.dc.contributor.advisor1: Terra, Kenner Roger Cazotto
metadata.dc.contributor.referee1: Ulrich, Claudete Beise
metadata.dc.contributor.referee2: Stieg, Vanildo
metadata.dc.contributor.referee3: Terra, Kenner Roger Cazotto
metadata.dc.description.resumo: Esta dissertação analisa o lugar da criança no culto infantil no âmbito da instituição religiosa, na Igreja Batista de Laranjeiras, no município de Serra/ES. Propôs-se aqui observar as práticas docentes quanto ao conhecimento das leis e diretrizes que amparam os direitos das crianças/infâncias. Assim, é preciso compreender a infância como construção histórica e social, pois as várias infâncias nos diversos lugares e espaços passaram a exigir do professor novas lentes de conhecimento. Os estudos de autores como Ariès (1973), Benjamin (1984), Kuhlmann Jr. (2010), Sarmento e Pinto (1997), da era medieval à modernidade, sinalizam o percurso da criança/infância ao longo da história, e norteiam a relevância dos diálogos voltados para esse campo. Optou-se, como abordagem metodológica, pela investigação qualitativa que se utilizará da pesquisa etnográfica, delineando-se uma postura analítica dos indivíduos e seus tratos nos processos educativos. Nas ciências humanas são produzidos dados e conhecimentos. Isso porque quando se escolhe determinado dado, eticamente anuncia-se uma postura política e encaminha-se o se quer dizer. Esses dados foram coletados a partir de observação não participante, entrevistas e análise documental, por meio de registro de campo, vídeo gravações e fotos. Identificou-se que a instituição religiosa, como espaço de ensino da fé cristã, apropria-se de teóricos consagrados e de leis e diretrizes para nortear os direitos e vozes das crianças. Conclui-se que o lugar da criança está impregnado de várias culturas e espaços e é construído nas diversas relações e interações, pelo reconhecimento de suas concepções históricas e peculiaridades, constituindo-se a criança como sujeito construtor do seu lugar na sociedade.
Abstract: This dissertation analyzes the place of the child in the worship of children within the religious institution in the Baptist Church of Laranjeiras, in the municipality of Serra / ES. It was proposed here to observe the teaching practices regarding to the knowledge of the laws and guidelines that support the rights of children /childhood. Thus it is necessary to understand the childhood as a historical and social construction, since the various childhoods in the several places and spaces have started demanding from the teacher new lenses of knowledge. The studies of authors such as Ariès (1973), Benjamin (1984), Kuhlmann Jr. (2010), Sarmento and Pinto (1997), from the medieval era to modernity, show the path of the child / childhood along the History and guide the relevance of the dialogues focused on this field. It was chosen as a methodological approach by the conception of qualitative research, outlining an analytical posture of the individuals and their dealings in the educational processes. Data was collected from the non-participant observation, interviews and documentary analysis, through field registration, video recordings and photos. It was identified that the religious institution as an educational space of the Christian faith, it appropriates consecrated theorists, laws and guidelines to guide the rights and voices of the children. It is concluded that the place of the child is impregnated with various cultures and spaces and it is built in the various relations and interactions, by the recognition of her/his historical conceptions and peculiarities, constituting the child as the constructive subject of her/his place in society.
Keywords: Infância. Criança. Professor(a). Formação. Instituição Religiosa
Childhood. Child. Teacher. Formation. Religious Institution
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Religiões
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões
Citation: ABRAMOWICZ, A.; WAJSKOP, G. Os espaços físicos. In: ABRAMOWICZ, A.; WAJSKOP, G. Educação infantil - Creches: atividades para crianças de zero a seis anos. São Paulo: Moderna, 1999. ALARCÃO, I. Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto Editora, Portugal, 1996. ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2003. AQUINO. L. As políticas sociais para a infância a partir de um olhar sobre a história da criança no Brasil. In: ROMAM E. D. STEYER V. E. A criança de 0 a 6 anos e a educação infantil: um retrato multifacetado. Ulbra, 2001. p. 31. ARANHA, M. S. F. Educação inclusiva: transformação social ou retórica? In: OMOTE, Sadão (Org.). Inclusão: intenção e realidade. Marília: Fundep, 2004. p. 2. ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973. ARRUDA, Kátia Magalhães. O trabalho de crianças no Brasil e o direito fundamental à infância. In: GUERRA FILHO, Willis Santiago (Coord.). Dos Direitos Humanos aos Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1997. p. 102. BAZÍLIO, Luiz Cavalieri; KRAMER, Sônia. Infância, educação e direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2003. BENJAMIN, W. Obras Escolhidas I: magia e técnica, arte e política. São Paulo, Brasiliense, 1985. BENJAMIN, W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Ed. 34, 2000. BORBA, Ângela Meyer. As culturas da infância no contexto da educação infantil. In: VASCONCELLOS, T. (Org.). Reflexões sobre Infância e Cultura. Niterói: EdUFF, 2008. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC,1998. BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Senado Federal, 1990. BRASIL. Parâmetros Básicos de Infraestrutura para Instituições de Educação Infantil. Brasília: MEC, 2008. BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. Rio de Janeiro: Ed. Esplanada, 1998. BRASIL. Lei nº. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Curitiba: Ed. OPET, 1997. BRASIL. Decreto nº 17943-A, de 12 de outubro de 1927. Código de Menores. BUENO, J. G. S. Crianças com necessidades educativas especiais, política educacional e a formação de professores: generalistas ou especialistas? Revista Brasileira de Educação Especial, n. 5, v. 3, p. 18, 1999. CAMPOS, Cristiana Caldas G. de; SOUZA, Solange Jobim e. Mídia, cultura do consumo e constituição da subjetividade na infância. Psicologia, ciência e profissão, n. 1, v. 23, p. 16, 2003. CARVALHO, Bárbara Vasconcelos de. Literatura Infantil: estudos. São Paulo: Lotus, 1985. CARLSSON, Ulla; FEILITZEN, Cecilia Von. A criança e a mídia: imagem, educação, participação. São Paulo: Cortez, 1999. CAVALCANTE, Talita Lopes. A roda dos enjeitados. 2004. Disponível em: <http://www.museudeimagens.com.br/roda-dos-enjeitados/>. Acesso em: 12 nov. 2017. COELHO, Cláudio Novaes Pinto. Publicidade: é possível escapar? São Paulo: Paulus, 2003. CORSINO, P. Infância, linguagem e letramento: educação infantil na rede municipal de ensino do Rio de Janeiro. 2003. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2003. COUTO, Inalda Alice Pimentel; MELO, Valéria Galo. Reconstruindo a história do atendimento à infância no Brasil. In: BAZÍLIO, Luiz Cavaliere; EARP, Maria de Lourdes Sá; NORONHA, Patrícia Anido. Infância tutelada e educação: história, política e legislação. Rio de Janeiro: Ravil, 1998, p. 20-38. COSTA, Célio Juvenal. A racionalidade jesuítica em tempos de arredondamento do mundo: o Império Português (1540-1599). 2004. Tese (Doutorado). Piracicaba: Universidade Metodista de Piracicaba, 2004. DALLARI, Dalmo de Abreu; KORCZACK, Janusz. O direito da criança ao respeito. 3. ed. São Paulo: Summus Editorial, 1986. DAMASCENO, M.N.; SILVA, I.M. Saber da prática social e saber escolar: Refletindo essa relação. Anais da 19ª Anped, 1996. DEL PRIORE, Mary. História das crianças no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2007. _____. História das crianças no Brasil. 7ª ed. 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2013. _____. História da criança no Brasil. In: PASSETI, Edson. As crianças brasileiras: um pouco de sua história. Texto mimeografado. s.p. _____. História das crianças no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1991. DEL PRIORE, Mary; VENÂNCIO, Renato. Uma breve história do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2010. _____. O papel branco, a infância e os jesuítas na colônia. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História da criança no Brasil. 4. ed. São Paulo: Contexto, 1996. p. 18. _____. O cotidiano da criança livre no Brasil entre a Colônia e o Império. In: DEL PRIORE, Mary. (Org.). História das crianças no Brasil. 6 Edição. São Paulo: Contexto, 2008. p. 84-106. DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2004. DIGIÁCOMO, Murilo José; DIGIÀCOMO, I ldeara de Amorim. Estatuto da Criança e do Adolescente: anotado e interpretado. Curitiba: SEDS, 2013. DORNELLES, Leni Vieira. Infâncias que nos escapam: da criança na rua à criança cyber. Petrópolis: Vozes, 2005. DOLTO, F; NASIO, J.D. A criança do espelho. Rio de Janeiro: JZE, 2002. DUARTE, Sérgio Guerra. Dicionário brasileiro de educação. Rio de Janeiro: Antares/Nobel, 1986. DRUCKER, Peter F. Administração de organizações sem fins lucrativos: Princípios e Práticas. São Paulo: Pioneira, 1994. FARIA, A. L. G. O espaço físico como um dos elementos fundamentais para uma Pedagogia da Educação Infantil. In: FARIA, A. L. G.; PALHARES, M. S. (Orgs). Educação Infantil Pós-LDB: rumos e desafios. Campinas: Autores Associados FE/ Unicamp, 2001. FERREIRA, Maria Elisa Caputo. O enigma da inclusão: das intenções às práticas pedagógicas. 2007. p. 10. FÜHRER, Maximilianus. Resumo de direito do trabalho. 13. ed. São Paulo: Malheiros, 2004. p. 191. FRANCA, Leonel S.J. O método pedagógico dos jesuítas: o “Ratio Studiorum”: Introdução e Tradução. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1952. p. 55-56. FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013. _____. Educação como prática de liberdade. São Paulo, 2011. FREITAS, Marcos Cezar de. História social da infância no Brasil. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2003. GADOTTI, M. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2005. GILBERTO, Antônio. Manual da Escola Dominical. Rio de Janeiro: CPAD, 1998. GONTIJO, Claudia Maria Mendes. Alfabetização: a criança e a linguagem escrita. Campinas: Autores Associados, 2003. GONZÁLES, Justo L. História do movimento missionário. São Paulo: Hagnos, 2008. GRUNSOPUN, Haim. O trabalho das crianças e dos adolescentes. 1. ed. São Paulo: LTR, 2000. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. HOBSBAWM. Eric J. A era das revoluções: 1789/1848. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1977. JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008. KLEIN et al. Deus mora no céu? A criança e sua fé. São Leopoldo: Sinodal, 1989. KUHLMANN JR., Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 1998. KUHLMANN JR., Moysés; FERNANDES, Rogério. Sobre a história da infância. In: FARIA FILHO, Luciano (Org.). A infância e sua educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 21. KRAMER, Sonia. Crianças e adultos em diferentes contextos. Desafios de um percurso de pesquisa sobre infância, cultura e formação. In: SARMENTO, Manoel; GOUVEA, Maria Cristina S. (Orgs.). Estudos da Infância: Educação e Práticas Sociais. Petrópolis-RJ: Vozes, 2004. _____. A infância e sua singularidade. In: BEAUCHAMP, Jeanete; PAGEL, Sandra Denise; NASCIMENTO, Aricélia Ribeiro do (Orgs.) Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: FNDE, 2006. ______. Retratos de um desafio: crianças e adultos na educação infantil. São Paulo: Ática, 2009. LIBANEO, J, C. Pedagogia e pedagogos, para quê. São Paulo: Cortes, 2002. LIBERTI, Wilson Donizeti; DIAS, Fábio Muller Dutra. Trabalho Infantil. 1. ed. São Paulo: Malheiros, 2016. LIBERATI, Wilson Donizeti. Comentários ao estatuto da criança e do adolescente. 5. ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2000. LÜDKE, M.; ANDRÉ. M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. MACEDO, Roberto Sidnei. Compreender/mediar a formação: o fundante da educação. Brasília: Liber Livro Editora, 2010. MAUAD, Ana Maria. A vida das crianças de elite durante o Império. In: PRIORE, Mary Del. História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999. p. 137-176. MARCILIO, Maria Luiza. A roda dos expostos e a criança abandonada na História do Brasil. 1726-1950. In: FREITAS, Marcos Cezar de. (Org.) História Social da infância no Brasil. 6. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2006. p. 53-79. MONCORVO FILHO, Carlos Arthur. Alocução por ocasião da inauguração do edifício do Instituto de Proteção à Infância do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Departamento da Criança no Brasil, 1929. MARINHO, M. L. Subsídios ao terapeuta para análise e tratamento de comportamento em crianças: quebrando mitos. In: MARINHO, M. L.; CABALLO, V. E. (Org.). Psicologia clínica e da saúde. Londrina: UEL, 2001. p. 3-21. MATOS, Alderi Souza de. Robert Reid Kalley: pioneiro do Protestantismo missionário na Europa e nas Américas. Fides Reformata, n. VIII, v. 1, p. 9- 28, 2003. MELLO, Suely Amaral. As Práticas Educativas e as Conquistas de Desenvolvimento das Crianças Pequenas. In: RODRIGUES, Elaine; ROSIN, Sheila Maria (Orgs). Infância e Práticas Educativas. Maringá - PR: Eduem, 2007. MUHL, Eldon Henrique. A criança e a educação para a maioridade: considerações a partir de Walter Benjamin. In: DALBOSCO, Cláudio Almir; FLICKINGER, Hans-Georg (Org.). Educação e maioridade: dimensões da racionalidade pedagógica. São Paulo: Cortez, 2005. p. 300. MURICY, K. Benjamin: alegorias da dialética. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1998. NARVAZ, M.G.; KOLLER, S.H. O modelo bioecológico do desenvolvimento humano. In: KOLLER, S.H. (Org.). Ecologia do desenvolvimento humano: pesquisas e intervenções no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p. 57. NETO et al. O Professor e as Propostas Educacionais do Ratio Studiorum: Algumas Reflexões Iniciais Sobre a Prática Docente, 2012. p. 277. NÓVOA, Antônio. Concepções e práticas da formação contínua de professores: In: Nóvoa A. (Org.). Formação contínua de professores: realidade e perspectivas. Portugal: Universidade de Aveiro, 1991. O JORNAL BATISTA Órgão oficial da Convenção Batista Brasileira. Semanário Confessional, doutrinário, inspirativo e noticioso.2015, p. 2. Disponível em: <http://www.batistas.com/OJB_PDF/2015/OJB_17.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2017. _____. Órgão oficial da Convenção Batista Brasileira, 2015, p. 2. Disponível em: <http://www.batistas.com/OJB_PDF/2015/OJB_17.pdf>. Acesso em: 04 dez. 2017. OLIVEIRA, Lúcia Lippi. “As festas que a República manda guardar”. Estudos Históricos, n.4, v. 2, 1989. OLIVEIRA, D.C. Sistematização metodológica da análise de conteúdo. Rev. Enferm. UERJ, n. 4, v. 16, p. 571, 2008. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v16n4/v16n4a19.pdf. Acesso em: 24 nov. 2017. PAIVA, José Maria de; PUENTES, Roberto Valdés. A proposta jesuítica de educação - uma leitura das Constituições. Comunicações, n. 2, v. 7, p. 122-133, 2000. PIMENTA, Selma Garrido. Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 2000. RAMOS, Fábio Pestana. A história trágico-marítima das crianças nas embarcações portuguesas do século XVI. In: DEL PRIORE, Mary. (Org.). História das crianças no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2010. p. 19 -54. REIS, Álvaro. Primeira convenção regional das Escolas Dominicais no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Typ. Methodista, 1909. REIS, Maria Cândida Delgada. Tessitura de Destinos: mulher e educação. São Paulo: EDUC, 1993. RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2012. RIZZINI. Irma. Meninos desvalidos e menores transviados: a trajetória da assistência pública até a Era Vargas. In: PILOTTI, Francisco; RIZZINI, Irene (Org.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Niño, 1995. SARAMAGO, José. Esperanças e utopias: O caderno de Saramago, S/L.2008. p. 2. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1563729/mod_resource/content/1/O_que_ transformou_o_mundo_e_a_necessida.pdf>. Acesso em: 17 nov. 2017. SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; CERISARA, Ana Beatriz (Coord.). Crianças e miúdos. Perspectivas sociopedagógicas sobre infância e educação. Porto: Asa, 2004. _____. As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando o campo. In: PINTO, Manuel; SARMENTO, Manuel Jacinto (Orgs). As crianças: contextos e identidades. Portugal: Centro de Estudos da Criança, 1997. _____. Imaginário e culturas da infância. 2002. p. 20. Texto produzido no âmbito das atividades do Projeto “As marcas dos tempos: a interculturalidade nas culturas da infância”. SOUZA, M. C. B. R. A concepção de criança para o enfoque histórico-cultural. 2007. 154 f. Tese (Doutorado) Pós-Graduação em Educação - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista. Marília, São Paulo, 2007. SOUZA, Gilda de Mello. O diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia de Letras, 2000. SOUZA, Solange Jobim. Subjetividade em questão: a infância como crítica da cultura. Rio de Janeiro:7Letras, 2005. _____. Infância e linguagem: Bakhtin, Vygotsky e Benjamin. 7. ed. Campinas: Papirus, 2003. STIEG, Vanildo. Alfabetização no contexto do discurso de letramento. São Carlos: Pedro & João, 2014. TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. TELLES, Vera da S. Direitos sociais: afinal, do que se trata? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999. TEODORO, A. Globalização e Educação: políticas educacionais e novos modos de governação. São Paulo: Cortez, 2003. TEIXEIRA SOARES, Álvaro. O Marquês de Pombal. Brasília: Editora da UnB, 1961. VAILATI, Luiz Lima. A morte menina: práticas e representações da morte infantil no Brasil dos oitocentos (Rio de Janeiro e São Paulo). 2005. 168 p. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. _____. A morte menina: infância e morte infantil no Brasil dos oitocentos (Rio de Janeiro e São Paulo). São Paulo: Alameda, 2010. VENÂNCIO, Renato Pinto. Maternidade negada. In: DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997. p. 189-222. VYGOTSKY, L. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987. _____. O primeiro ano. Madrid: Visor, 1996. VIDAL, Diana Gonçalves; HILSDOR, Lúcia Spedo. Brasil 500 anos: tópicos em história da educação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. VOIGT, Emilio. Educação comunitária: Manual de estudos. São Leopoldo: Sinodal, 2011. WALLON, H. Afetividade e aprendizagem: Contribuições de Henry Wallon. São Paulo: Edições Loyola, 2007. ZAMBERLAN, M. A. T. Psicologia e prevenção: modelos de intervenção na infância e na adolescência. Londrina: EDUEL, 2003.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://bdtd.faculdadeunida.com.br:8080/jspui/handle/prefix/13
Issue Date: 27-Feb-2018
Appears in Collections:Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências das Religiões

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - Katia Antonia Ferreira Rosa.pdfDissertação - Katia Antonia Ferreira Rosa9,56 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.